Pular para o conteúdo principal

Inteligência artificial e a “Roda mágica” do Google

Vocês alguma vez imaginaram digitar algo no computador e ele dizer para vocês tudo que têm relação com as palavras pesquisadas? Acredito que a resposta, principalmente pelos fanáticos em TI, é sim!


Quem faz pesquisas constantes pelo Google já percebeu a funcionalidade entre as várias opções adicionadas. Alguns sites e blogs apenas referem como mais um aplicativo do maior buscador na internet, porém acredito que é muito mais que isso ou algo muito maior pode sugir disso tudo.


Semana passada escrevi um artigo desmistificando dados escritos em um site que mencionou o suposto “guia de espionagem da Microsoft”. Veja o artigo:
Desmistificando o suposto “Guia de Espionagem da Microsoft”
Pois neste artigo fiz observações sobre Segurança x Privacidade. Hoje o assunto não foge muito disso, porque a “Roda mágica” googliana pode ser muito mais do que parece ser: na verdade – acredito – é a máquina e o que ela pode ter apreendido sobre determinado assunto.

Para você acessar a “Roda mágica” tem de seguir esses passos:

a) acessar a página do Google;
b) fazer qualquer pesquisa e clicar em “Mostrar opções…”, conforme a imagem abaixo, com o destaque em vermelho;
Roda Mágica 2
Roda Mágica 1c) após, clique em “Roda mágica” … conforme a imagem ao lado, com o destaque em vermelho.
O que aparecerá na imagem criada no estilo “Análise de Vínculos” ou “Rede de Relacionamentos” será uma teia do que o Google em tese aprendeu sobre o que foi pesquisado. No caso específico da pesquisa que mostro na imagem, a “Roda Mágica” trouxe exatamente o que se relaciona a mim na web: crimes virtuais e crimes cibernéticos (assunto que trato no blog); melhor antivírus (assunto de um post do blog que é o mais acessado de todos); técnico agrícola (formei-me Técnico Agricola em 1989); cartão magnético (escrevi sobre fraudes virtuais e sobre uma pulha virtual com cargão magnético de hotel; Delegado de Polícia (minha profissão). Ele só deixa a desejar por agregar o ítem “pac saúde”.

Roda Mágica 3
Conversei com uma profissional que trabalha diretamente com Inteligência Artificial: a Maísa Cristina Duarte (http://ufscar.academia.edu/MaisaDuarte), que está desenvolvendo um projeto de mestrado sobre o aprendizado da máquina, sob orientação do Professor Estevam Rafael Hruschka Junior. Maísa concordou em falar sobre o tema deste post e concedeu-me uma “entrevista” pelo GTalk e depois enviou-me mais observações por e-mail.

Segundo ela o retorno do “Roda mágica” é bom, pois ele mostra de uma maneira amigável, e possui filtros por data (mas isso já é feito no Google, logo parece ser só uma visualização) referindo-se à ferramenta “Cronograma”. Maísa porém refere que não há continuidade dos temas vinculados, e citou o exemplo da minha pesquisa acima: “Quando digito o seu nome “Emerson Wendt” se vou em “técnico agrícola, ele vai e faz uma busca como seu eu simplesmente tivesse digitado “técnico agrícola”, ou seja, não houve aprendizado, não tendo buscado informações sobre “Emerson Wendt” e “técnico agrícola”, conclui.

O que a pesquisadora quis dizer é que a “Roda mágica” não distingue pelas pesquisas se o termo pesquisado é uma pessoa, lugar, objeto ou termo específico. Ele simplesmente vincula as sentenças que ocorrem mais, não possuindo aprendizado, ou seja, não aprende com o retorno das pesquisas. .


No projeto de mestrado que Maísa desenvolve, “de um ponto de vista restrito somente a testes do "Roda Mágina", a ideia do Goolge é mostrar os resultados de uma forma mais amigável, bonita. Se for vontade deles, isso pode render muita coisa legal, mas por enquanto só realiza algo que já temos. São duas as diferenças principais entre essa ferramenta e nosso sistema: 1ª Nosso sistema trabalhará com aprendizado, ou seja, ele vai distinguir o que é cidade, pessoa, universidade, etc.  2ª Nosso projeto busca quebrar a barreira do fim.  O que quero dizer é que nosso sistema vai aprender para sempre, buscamos que ele aprenda a aprender, ou seja, imagine que ele vai ler uma página e conseguiu extrair (aprender) que São Carlos é uma cidade, da segunda vez que for lê-la, com essa informação ele pode aprender agora que São Carlos é uma cidade do estado de São Paulo”. Continua ela “essa é a ideia de como vamos extrair, ou seja, fazer ele aprender a aprender e assim como o ser humano, aprender a aprender de forma sem fim, para sempre, como dizem: "A gente nunca para de aprender". Ressaltou que o sistema em desenvolvimento no projeto “somente vai aprender aquilo que está disponível na web, somente isso!
Maísa citou o trabalho semelhante que é feito nos Estados Unidos, porém baseado na língua inglesa, e deixou o link para quem quer ler e aprender mais sobre o tema http://rtw.ml.cmu.edu/readtheweb.html. Ressaltou que o projeto brasileiro é baseado na língua portuguesa.
Questionei Maísa sobre o que ela achava da questão da privacidade na web. Eis o que ela respondeu:
Acho que é uma questão que possui dois lados, assim como no artigo de Tom Mitchell, professor da Carnegie Mellon University - USA (dezembro, 2009 http://www.post-gazette.com/pg/09352/1021836-84.stm). Nesse artigo ele cita um exemplo mais ou menos assim: Imagine ser informado, por uma mensagem, no seu celular, que a “x” metros de você há uma pessoa diagnosticada com gripe suína. Você gostaria de ser informado disso? Seria bom para você? Mas e o paciente? Ele não se importaria por essa informação ser espalhada? Voltando mais à privacidade na web, acho o seguinte: Meus pais me ensinaram, quando eu era criança, a não pegar carona com pessoas desconhecidas, a não dar endereço, telefone, etc. a elas. Acho que isso vale não somente pra crianças, mas para adultos e é claro, para o uso da internet também. Afinal, a web é aberta, portanto, cada um deve cuidar de si.
Se alguém quiser, pode seguir a Maísa Duarte também no Twitter, através da arroba @maisaduarte.

E vocês, o que acham da “Roda mágica”? Ajuda na informação? Ajuda na seleção dos assuntos? Demonstra que realmente não há privacidade na web?
Colabore com o blog comentando sobre o assunto.

Comentários

Anônimo disse…
Nossa, matéria extremamente interessante, olha eu creio em tudo oque a Maise disse. Privacidade na web é quase impossível, por isso que sempre aconselho meus filhos, e amigos a não saírem postando fotos, endereço e etc... É e vou testar a roda mágica, ver oque aparece aqui para mim rs.

Abração, o post é sensacional!

Postagens mais visitadas deste blog

Facebook: endereço de envio de intimações e/ou ordens judiciais

Achei interessante atualizar (fev/2018) esse post de outubro de 2011, visando deixar a informação mais correta e atualizada em relação aos procedimentos no Facebook: Várias pessoas me perguntam(vam) sobre o endereço do Facebook, que anunciou, em 2011, abrir um escritório no Brasil. Todo o procedimento de tratamento está explicado no nosso livro, escrito com o Dr. Higor Jorge: Crimes Cibernéticos - Ameaças e Procedimentos de Investigação. Veja como adquirir o livro: Como adquirir os livros? O resultado da pesquisa do registro do domínio nos remete a um escritório de registro de propriedade intelectual, porém, o escritório para envio de ordens judiciais e/ou intimações, além de requerimentos, é o seguinte: FACEBOOK SERVICOS ONLINE DO BRASIL LTDA Rua Leopoldo Couto de Magalhães Júnior, 700, 5º Andar, Bairro Itaim Bibi, São Paulo-SP, CEP 04542-000 - Fonte:  Jucesp Online Não sabíamos como seria o tratamento das informações e respostas às solicitações das chamadas

Estamos entre os melhores Delegados de Polícia, segundo Censos de 2017, 2018 e 2019

No ano de 2017 já havíamos sido agraciados com a distinção e citação dentre os melhores Delegados de Polícia na Categoria Jurídica.  Em 2018 e 2019, segundo o Portal Nacional dos Delegados , fomos novamente escolhidos, dentre os Melhores Delegados de Polícia do Brasil, na Categoria Gestão. Assim, ficamos muito lisonjeados pelo reconhecimento nacional em termos de gestão , especialmente pelo trabalho frente ao Conselho Nacional de Chefes de Polícia Civil, o CONCPC, e, também, da atividade de inteligência. Vejam a lista completa dos agraciados de 2019, clicando aqui . Seguimos em frente. Deixamos a Chefia da Polícia Civil do RS, deixamos a área de inteligência, porém na vamos continuar nos dedicando à atividade de Segurança Pública.

Tecnologia da Informação & Direito: um livro para o profissional de TIC

Após um longo período do projeto, iniciado lá em 2014 e interrompido em 2015, finalmente (não é em tom de reclamação, mas motivado pela falta de tempo!), lancamos em 2018 o livro: Tecnologia da Informação & Direito. O livro é fruto de uma parceria com a Profª Drª Ângela Kretschmann e visa a trazer aos neófitos nos estudos da interação entre as novas tecnologias e a percepção/recepção pelo Direito, especialmente no brasileiro. Um pouco sobre o livro: Existe um diálogo muito produtivo entre os profissionais da área jurídica e os da tecnológica, que promove contínuo aperfeiçoamento dos dois campos. Nesse sentido, o livro aborda uma noção geral que envolve o estudo do Direito e da Tecnologia, os principais pontos polêmicos que instigam a análise jurídica e o desenvolvimento do Direito para a solução de conflitos típicos da era digital. O enfoque é dado, em especial, após um apanhado geral do Direito, às áreas do direito do consumidor, direito à imagem, delitos cibernéti