Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2011

Curso: Investigação de crimes cibernéticos em Aracajú - SE

Durante a semana de 21 a 25/11, ministrei aulas de investigação de crimes cibernéticos no Curso de Investigação Policial na Academia de Polícia da Polícia Civil do Estado de Sergipe. As aulas foram ministradas a duas turmas de policiais e delegados, com 20h/a cada, totalizando aproximadamente 50 alunos. O curso, coordenado pela Academia de Polícia Civil de Sergipe, tem carga horária total de 240 h/a.
A Polícia Civil de Sergipe pretende criar uma Divisão de investigação de crimes cibernéticos/eletrônicos e está buscando experiências na área, tendo buscado o apoio da Policia Civil gaúcha, que contribuiu na formação dos policiais, não só nesta edição do curso, mas também na edição anterior, realizada em setembro, durante o Curso de Inteligência de Segurança Pública.
Além de mim, o Delegado de Polícia Higor Vinícios Nogueira Jorge ministrou aulas para uma terceira turma de policiais. Assim, aproveitamos para reforçar os laços de amizade e ideias no livro que trata de investigação de crim…

Entrevista: Cuidado com o que você escreve na rede

Reprodução de matéria jornalística do Jornal Gazeta do Povo, Londrina/PR, elaborada pela jornalista Juliana Gonçalves, publicada em 16/11/2011, na qual dei entrevista sobre os cuidados com aquilo que publicamos na internet:
No Brasil, ainda são poucas as restrições quanto ao uso de sites de relacionamento, mas em vários países as proibições já começaram a aparecer
Londrina - Ao mesmo tempo em que as redes sociais trouxeram benefícios para a comunicação interpessoal, elas também passaram a ser ferramentas que prestam desserviços à sociedade. Manifes­tantes usam sites de relacionamento, mundo afora, para promover ataques e até nas salas de aula, por exemplo, o Facebook passou a ser o meio usado para insultos entre professores, alunos e pais. Com o intuito de inibir estes tipos de ações, vários países começaram a adotar meios de controle das mídias sociais. No Brasil, as iniciativas existentes ainda são tímidas e se resumem aos ambientes de trabalho.
Para os crimes virtuais que acontecem …

Veja como é um filme de terror com as informações que você disponibiliza no Facebook

Seguindo as preocupações expressadas no último post, acredito que todos que usam o Facebook e que têm preocupações com o que ali postam deveriam ver a iniciativa do site Take This Lollipop. O que fizemos no mundo virtual ecoa na vida real Acesse o link www.takethislollipop.com e dê permissão para que ele acesse os seus dados no Facebook. A partir daí você vira protagonista de um verdadeiro filme de terror.

O diretor de TV Jason Zada é o criador da ideia. Não se surpreenda muito com o que vais ver, pois é tudo que você já sabe, porém com ótica bem diversa. Após ver o filme, certamente você vai pensar um pouco mais antes de postar algo no Facebook.
Até a próxima!!

O que fizemos no mundo virtual ecoa na vida real

Há algum tempo não vinha escrevendo no Blog até por falta de tempo. Porém, acompanhando várias notícias dos últimos tempos, relativos aos acontecimentos, exposições na vida real e reflexos no cotidiano, senti a necessidade de, novamente, alertar para o tema.
Primeiro, acredito que todos devam ver o vídeo abaixo, elaborado com base no Twitter e Facebook, porém voltado ao aspecto diário, como se aplicássemos todas as regras dessas mídias sociais no nosso cotidiano real.

O principal fato que chamou a atenção é o da adolescente que foi morta após marcar encontro pela internet,  reforçando a necessidade de acompanhamento da vida virtual dos filhos pelos pais e dos alunos pelos professores.
escrevi que não é saudável uma superexposição na web, evitando-se a postagem de informações importantes aos criminosos, como dados familiares, endereços, telefones, onde estamos etc. Da mesma forma, vale lembrar o que escrevi em fevereiro de 2010:

Vale, também, reprisar a série de artigos sobre Segur…

Entrevista: Golpista revela esquema da mensagem premiada por celular

Dei uma entrevista sobre o velho golpe do prêmio por torpedo no celular, a qual foi transmitida hoje (14/11) durante o programa Jornal do Almoço (RBS TV). Sem saber que estava conversando com um repórter, golpista revelou como funciona o esquema da mensagem premiada pelo celular

É bom lembrar que os golpes através de celular têm algumas variantes: 
Primeiro, a do prêmio "ofertado" através de torpedos (SMS), conforme foi noticiado na reportagem;
Segundo, o golpista se faz passar por bombeiro ou policial rodoviário e, após "informar" à vítima sobre a ocorrência de um acidente, dá a entender que uma das pessoas "gravemente feridas" pode ser seu parente: tio, primo, irmão etc.. O criminoso, então, aproveita-se do nervosismo de seu interlocutor para, habilmente, conseguir dele informações como nome e características do suposto parente que esteja na rua àquela hora, momento do acidente. Recebidas as informações, o falso bombeiro ou policial rodoviário se transf…