Pular para o conteúdo principal

Palestras

Recebo vários convites para ministrar palestras sobre segurança pública, investigação criminal, crimes cibernéticos, segurança da informação, atividades de polícia judiciária, fraudes eletrônicas, ciberbullying, inteligência policial, inteligência e investigação digital etc., porém é importante estabelecer algumas considerações:

1- O contato para convite de palestras é, inicialmente, através de e-mail;
2 - Após, se for palestra para dia/horário útil, deve ser encaminhada uma solicitação formal ao e-mail que será indicado no contato, sendo que há necessidade de abertura de um expediente e haver a autorização de deslocamento quando for para fora do Estado do RS;
3 - Sendo final de semana e à noite, com deslocamentos curtos, pode-se fazer a avaliação da (des)necessidade do documento citado no item 2;
4 - Sendo a palestra fora do Estado tenho a necessidade de solicitar autorização superior para sair do RS e preciso instruir o procedimento com a agenda do evento;

Preferentemente:

a - Custos de hospedagem e alimentação, mesmo a do deslocamento, ocorrem por conta da entidade responsável pelo convite;
b - A hospedagem deve ser em hotel com ar condicionado, televisão e frigobar, devendo ser custeado o consumo de água mineral com gás (2 garrafas) e alimentação;
c - Fora do horário de trabalho, nos finais de semana e nas situações em que há necessidade de compensação de horário serão cobrados honorários pela palestra ou minicurso (valor a combinar).
d - Honorários:
- palestras em colégios particulares: contatar (por palestra, para pais e professores ou alunos, com tempo entre 1h e 1h30min de fala);
- palestras em empresas privadas: contatar (por palestra de até 2 horas) + custos de deslocamento, estadia e alimentação e retenção de direitos previdenciários + imposto de renda;
- palestras em universidades públicas e privadas: sem honorários (porém, observar itens "a" e "b");
- palestras em escolas públicas: sem honorários.

Quanto aos meios/condições para a palestra (no local do evento):

- deverá ser disponibilizado um computador com acesso à internet;
- data show e laser point, além de microfone;
- água mineral (sem gás);
- começar no horário!

Mini CV para divulgação:

Emerson Wendt, formado em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade Federal de Santa Maria e Pós-graduado em Direito pela URI-Frederico Westphalen. Mestre e Doutorando em Direito pela Universidade La Salle Canoas-RS.
Delegado da Polícia Civil do RS, lotado no Conselho Superior de Polícia. Ex-Chefe da Polícia Civil do Rio Grande do Sul e Presidente do Conselho Superior de Polícia da Polícia Civil (2016 a 2018). Foi Diretor do Departamento Estadual de Investigações do Narcotráfico por duas oportunidades (2000 e 2015) e Diretor do Gabinete de Inteligência e Assuntos Estratégicos também por duas oportunidades (2005-2006 e 2011-2014). Foi Vice-Presidente Regional do Conselho Nacional de Chefes de Polícia Civil (CONCPC) de abril de 2016 a abril de 2017, passando a partir daí Vice-Presidência Nacional do mesmo Conselho, assumindo a Presidência em abril de 2018, deixando o posto em dezembro de 2018.Também foi Secretário-Executivo do referido Conselho no primeiro semestre de 2019. Entre janeiro de 2019 e janeiro de 2020, Diretor do Departamento de Inteligência de Segurança Pública da SSP/RS. Foi condecorado pelos seguintes órgãos: Exército Brasileiro, Marinha do Brasil, Força Aérea Brasileira, Ministério Público do RS, Assembleia Legislativa do RS, Ministério da Segurança Pública, Polícia Civil do Pará, Polícia Civil da Bahia, Polícia Civil de Sergipe, dentre outros. Recebeu o Título de Cidadão de Porto Alegre e também de Nova Palma-RS.
Professor da Academia de Polícia Civil nos cursos de formação nas cadeiras de Inteligência Policial e Investigação Criminal, além de docente no Curso de Pós-Graduação em Gestão da Investigação Criminal da Polícia Civil gaúcha. Também, é/foi professor dos cursos de pós-graduação e/ou extensão da UNISINOS (São Leopoldo-RS), SENAC-RS (Passo Fundo-RS), IDC (Porto Alegre-RS), Verbo Jurídico (Porto Alegre-RS), Uniritter (Porto Alegre-RS e Canoas-RS), EPD (São Paulo-SP), IMED (Passo Fundo e Porto Alegre-RS), UNITOLEDO (Porto Alegre-RS), ESMAFE/RS (Porto Alegre), Uninorte (Rio Branco-AC), Unifacs (Salvador-BA), URI (Frederico Westphalen), FEMA (Santa Rosa), AJURIS (Porto Alegre), CEISC/UNISC (Santa Cruz do Sul) e FMP (Porto Alegre). Já ministrou aula nas Academias das Polícia Civis de Pernambuco, Pará, Goiás, Paraná, Acre, Alagoas, Sergipe, Rondônia, Espírito Santo, Santa Catarina e Piauí.
Membro da Associação Internacional de Investigação de Crimes de Alta Tecnologia (HTCIA), do PoaSec e do INASIS, além de integrante, em 2019, do Comitê Gestor de Tecnologia da Informação da Secretaria de Segurança Pública do RS (GGTIC-SSP/RS), do Comitê Técnico de Tecnologia da Informação e Comunicação (CETIC-RS), da Comissão Mista de Reavaliação de Informações do RS (CMRI-RS) e do Conselho Deliberativo do Programa de Proteção à Testemunhas no RS (PROTEGE).
Autor do livro Inteligência Cibernética (Editora Delfos).
Coautor do livro "Crimes Cibernéticos: ameaças e procedimentos de investigação", com Higor Vinícius Nogueira Jorge (Editora Brasport).
Coautor dos livros "Inteligência Digital", "Investigação Digital em Fontes Abertas" e "Inteligência e Investigação Criminal em Fontes Abertas", com Alesandro Gonçalves Barreto (Editora Brasport).
Autor e organizador dos livros "Investigação Criminal: ensaios sobre a arte de investigar crimes" e "Investigação Criminal: Provas", juntamente com o Fábio Motta Lopes (Editoras Brasport e Livraria do Advogado).
Autor do livro Internet & Direito Penal - Risco e Cultura do Medo (Livraria do Advogado Editora).
Coautor do livro Tecnologia da Informação & Direito, com Ângela Kretschmann (Livraria do Advogado Editora).
Autor e organizador do livro "Direito & TI: cibercrimes" (Livraria do Advogado Editora).
Autor e organizador do livro “O Direito Vivo”, juntamente com Valquiria P. Cirolini Wendt (Ed. Brasport).
Autor de diversos artigos e capítulos na área de Direito e Internet e Editor-Chefe da Revista Eletrônica Direito & TI (www.direitoeti.com.br).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Facebook: endereço de envio de intimações e/ou ordens judiciais

Achei interessante atualizar (fev/2018) esse post de outubro de 2011, visando deixar a informação mais correta e atualizada em relação aos procedimentos no Facebook:
Várias pessoas me perguntam(vam) sobre o endereço do Facebook, que anunciou, em 2011, abrir um escritório no Brasil.
Todo o procedimento de tratamento está explicado no nosso livro, escrito com o Dr. Higor Jorge: Crimes Cibernéticos - Ameaças e Procedimentos de Investigação. Veja como adquirir o livro: Como adquirir os livros? O resultado da pesquisa do registro do domínio nos remete a um escritório de registro de propriedade intelectual, porém, o escritório para envio de ordens judiciais e/ou intimações, além de requerimentos, é o seguinte: FACEBOOK SERVICOS ONLINE DO BRASIL LTDARua Leopoldo Couto de Magalhães Júnior, 700, 5º Andar, Bairro Itaim Bibi, São Paulo-SP, CEP 04542-000
- Fonte: Jucesp Online Não sabíamos como seria o tratamento das informações e respostas às solicitações das chamadas forças da lei (law enforcemen…

Estamos entre os melhores Delegados de Polícia, segundo Censos de 2017, 2018 e 2019

No ano de 2017 já havíamos sido agraciados com a distinção e citação dentre os melhores Delegados de Polícia na Categoria Jurídica. 


Em 2018 e 2019, segundo o Portal Nacional dos Delegados, fomos novamente escolhidos, dentre os Melhores Delegados de Polícia do Brasil, na Categoria Gestão.


Assim, ficamos muito lisonjeados pelo reconhecimento nacional em termos de gestão, especialmente pelo trabalho frente ao Conselho Nacional de Chefes de Polícia Civil, o CONCPC, e, também, da atividade de inteligência. Vejam a lista completa dos agraciados de 2019, clicando aqui.

Seguimos em frente. Deixamos a Chefia da Polícia Civil do RS, deixamos a área de inteligência, porém na vamos continuar nos dedicando à atividade de Segurança Pública.

Recomendações a pais, professores e escolas quanto às ameaças de atentado

Pós fato Suzano/SP, o alvoroço nas mídias sociais foi muito grande. Em alguns Estados mais do que outros. Muita trollagen para gerar pânico. Sendo assim, é importante algumas precauções por parte dos colégios/escolas:

Existência de meios físicos de contenção e controle:

- catraca/controle eletrônico de acesso
- controle de entrada e saída de visitantes, com registros de dados
- videomonitoramento, com gravação por pelo menos 10 dias. Ideal é 30 dias

Mecanismos preventivos:

- formatar equipe (interna ou mista interna/externa) de avaliação de ameaças;
- definir comportamentos por ordem de risco e necessidade de contingenciamento;
- definir condutas que demandam intervenção imediata (por exemplo, porte de arma, postagem em redes sociais);
- criar e gerir um sistema anônimo que permita reportar informações com condutas de risco (e-mail, telefone etc.);
- promover ambiente alicerçado em uma cultura de segurança, respeito, confiança e apoio emocional;
- incentivar alunos a compartilhar suas …