Pular para o conteúdo principal

Entrevista: Clonagem de cartões de crédito lidera crimes eletrônicos

Reproduzo matéria jornalística escrita pelo jornalista Amilton Belmonte, do Grupo Sinos, publicada no Jornal NH, referente aos resultados de uma pesquisa divulgada pela Fecomércio-SP.

Clonagem de cartões de crédito e uso de dados pessoais lideram os crimes eletrônicos no País

Brasil - Crimes virtuais, mas de prejuízos reais e num ambiente onde não há fronteiras. Com base nessa premissa, a 5ª Pesquisa sobre o comportamento dos usuários na Internet, realizada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (Fecomércio) de São Paulo, foi apresentada ontem, na capital paulista, durante o 5º Congresso de Crimes Eletrônicos e Formas de Proteção. Realizado em maio último e abrangendo um universo de mil entrevistados, o estudo revela um aumento na desconfiança quando o assunto é “o uso de dados pessoais por sites que solicitam informações”. Dos entrevistados, 72,30% não confia no uso dessas informações. Em 2012, o percentual era de 48,75%. Entretanto, quando perguntados se os sites devem guardar registros de acesso para auxiliar eventuais investigações de cibercrimes, 87,80% dos entrevistados se disse favorável. Um dos dados mais impactantes da pesquisa é quando os entrevistados responderam sobre qual tipo de crime foram vítimas.

Foto: Ilustração Rodrigo Nunes/GES

Em primeiro lugar apareceu a clonagem de cartões de crédito (33,52%), seguido de uso de dados pessoais (17,32%), desvio de dinheiro em conta bancária (15,64%) e compra de empresa fantasma (12,85%), com a atitude mais comum das vítimas sendo o registro da ocorrência. Sobre o conhecimento da recente Lei 12.737/2012, de Crimes Eletrônicos, também conhecida por Lei Carolina Dieckmann – atriz vítima de extorsão e que teve fotos íntimas reveladas na Internet – um total de 66,60% dos entrevistados disse conhecer a legislação. Todavia, questionados se o regramento será suficiente para conter os crimes eletrônicos no País, 83,63% respondeu que não.

Na web

Novo código penal - Titular do Gabinete de Inteligência e Assuntos Estratégicos da Polícia Civil do Rio Grande do Sul, o delegado o delegado Emerson Wendt acredita que apenas um novo
Código Penal poderia tornar mais rígida a punição contra crimes eletrônicos. Diz que a atual lei faz com que a autoridade policial tenha que adequar condutas para imputar autoria em delitos. “A efetividade da lei, dependendo do caso, pode estar comprometida”, pondera, ao assinalar, contudo, que delitos como extorsão, se praticado por funcionários públicos, podem gerar penas de até 12 anos de prisão.

Crime organizado - “De cada 100 reais que as instituições bancárias perdem em ações criminosas no Brasil, 95 reais são por fraude eletrônica”. A revelação é do delegado Marcínio Tavares Neto, titular da Delegacia de Repressão aos Crimes Informáticos, do Departamento Estadual de Investigações Criminais (DEIC), ao dar uma dimensão do problema hoje no País e salientar que crime organizado, ataques contra correntistas e fraudes praticadas por sites de comércio eletrônico são o foco de sua delegacia. “É preciso entender que crescem os crimes pela Internet porque aumenta cada vez mais o acesso das pessoas a ela”, explica ele, observando que esses ataques podem partir de qualquer lugar do País, o que dificulta ainda mais o trabalho investigativo.

Os mais comuns - Os chamados crimes contra a honra, e que na rede mundial de computadores têm um amplo território para cometimento, são os de registro mais comum nas delegacias gaúchas. “É muito fácil xingar e ameaçar por e-mail ou por rede social”, comenta o delegado Marcínio Ta vares Neto, ao salientar que esse tipo ocorrência pode ser registrada em qualquer delegacia. Como forma preventiva e para clareza sobre crimes no ambiente da Internet, ele or ienta: “Busque nas pesquisas da Internet o Centro de Resposta e Tr atamento de Incidentes – CERT, uma cartilha que ajudará muito”, destaca.

Queda nas compras pela web

De acordo com a pesquisa, houve redução no número de pessoas que realizou compras pela Internet, no comparativo com igual levantamento do ano passado. Neste ano, 55,90% dos entrevistados disse que vai às compras. Em 2012, esse número era de 62,71%. O estudo também revela uma pequena queda no uso de redes sociais e sites de relacionamento. Do total de entrevistados, 87,94% usava esses sites em 2012, número que neste ano caiu para 84,10%. Quanto à remoção de conteúdo ilegal da Internet, a pedido da vítima ou com ordem judicial, 65,90% disse que precisa ser feito a pedido da vítima e 34,10% por ordem judicial. Já 95,50% dos entrevistados acredita que provedores de conteúdo devem avisar seus clientes quando receberem um aviso judicial relacionado a alguma infração que cometeram, com 4,50% respondendo o contrário.

Fonte: Jornal NH, neste link.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Facebook: endereço de envio de intimações e/ou ordens judiciais

Achei interessante atualizar (fev/2018) esse post de outubro de 2011, visando deixar a informação mais correta e atualizada em relação aos procedimentos no Facebook:
Várias pessoas me perguntam(vam) sobre o endereço do Facebook, que anunciou, em 2011, abrir um escritório no Brasil.
Todo o procedimento de tratamento está explicado no nosso livro, escrito com o Dr. Higor Jorge: Crimes Cibernéticos - Ameaças e Procedimentos de Investigação. Veja como adquirir o livro: Como adquirir os livros? O resultado da pesquisa do registro do domínio nos remete a um escritório de registro de propriedade intelectual, porém, o escritório para envio de ordens judiciais e/ou intimações, além de requerimentos, é o seguinte: FACEBOOK SERVICOS ONLINE DO BRASIL LTDARua Leopoldo Couto de Magalhães Júnior, 700, 5º Andar, Bairro Itaim Bibi, São Paulo-SP, CEP 04542-000
- Fonte: Jucesp Online Não sabíamos como seria o tratamento das informações e respostas às solicitações das chamadas forças da lei (law enforcemen…

Recomendações a pais, professores e escolas quanto às ameaças de atentado

Pós fato Suzano/SP, o alvoroço nas mídias sociais foi muito grande. Em alguns Estados mais do que outros. Muita trollagen para gerar pânico. Sendo assim, é importante algumas precauções por parte dos colégios/escolas:

Existência de meios físicos de contenção e controle:

- catraca/controle eletrônico de acesso
- controle de entrada e saída de visitantes, com registros de dados
- videomonitoramento, com gravação por pelo menos 10 dias. Ideal é 30 dias

Mecanismos preventivos:

- formatar equipe (interna ou mista interna/externa) de avaliação de ameaças;
- definir comportamentos por ordem de risco e necessidade de contingenciamento;
- definir condutas que demandam intervenção imediata (por exemplo, porte de arma, postagem em redes sociais);
- criar e gerir um sistema anônimo que permita reportar informações com condutas de risco (e-mail, telefone etc.);
- promover ambiente alicerçado em uma cultura de segurança, respeito, confiança e apoio emocional;
- incentivar alunos a compartilhar suas …

Estamos entre os melhores Delegados de Polícia, segundo Censos de 2017, 2018 e 2019

No ano de 2017 já havíamos sido agraciados com a distinção e citação dentre os melhores Delegados de Polícia na Categoria Jurídica. 


Em 2018 e 2019, segundo o Portal Nacional dos Delegados, fomos novamente escolhidos, dentre os Melhores Delegados de Polícia do Brasil, na Categoria Gestão.


Assim, ficamos muito lisonjeados pelo reconhecimento nacional em termos de gestão, especialmente pelo trabalho frente ao Conselho Nacional de Chefes de Polícia Civil, o CONCPC, e, também, da atividade de inteligência. Vejam a lista completa dos agraciados de 2019, clicando aqui.

Seguimos em frente. Deixamos a Chefia da Polícia Civil do RS, deixamos a área de inteligência, porém na vamos continuar nos dedicando à atividade de Segurança Pública.