Pular para o conteúdo principal

Relatório Symantec 2010 sobre segurança virtual nas empresas: aspectos críticos

SymantecA Symantec divulgou o Relatório 2010 sobre segurança da informação nas empresas, que foi resultado de uma pesquisa com 2100 CIOs, CISOs e gerentes de TI de 27 países, em janeiro de 2010.
Fonte: http://www.symantec.com/pt/br/business
O resultado do relatório pode ser baixado nos links abaixo, referentes, respectivamente, ao mundo todo e à América Latina:
Relatório com resultados globais
Relatório com resultados para a América Latina
Veja abaixo alguns destaques dados pela empresa quanto ao resultado da pesquisa:
1 - 42% das empresas afirmaram que o risco de cyberataques é umas das suas preocupações principais, mais do que desastres naturais, terrorismo e crimes tradicionais todos combinados;
2 - 75% das empresas enfrentaram, nos últimos 12 meses, cyberataques e 36% afirmaram os ataques como “de alguma forma/altamente eficazes”;
3 - 29% das empresas reportaram que os ataques aumentaram nos últimos 12 meses;
4 - As três maiores perdas relatadas com os ataques foram:

  • roubo de propriedade intelectual,

  • roubo de dados de cartões de crédito de clientes, e

  • roubo de informações pessoais dos clientes;
5 – As perdas mencionadas pelas empresas foram traduzidas em custos em 92% dos casos, ou seja, na grande maioria dos casos houve perda financeira;
6 - Metade das empresas mencionaram que estão “de alguma forma/extremamente com falta de pessoal”;
7 – Também, falta de orçamento e pessoal qualificado são os maiores problemas de recrutamento, sendo que 66% das empresas entrevistadas estão com a mesma vaga aberta este ano ou têm novas vagas;
8 – As áreas mais impactadas com a falta de pessoal são: segurança de rede (44%) e segurança da mensageria (39%).
A pesquisa na América Latina abrangeu 4 países: Brasil (73 entrevistados), México (51), Argentina (15) e Colômbia (11).
Opto por fazer uma análise quanto ao resultado, embora desconheça o conteúdo completo, apenas baseando-me no que foi divulgado.
Segundo o relatório para a América Latina, o segundo fator de preocupação são os crimes virtuais, ficando com 17%. O que não se sabe é se os 42% de cyberataques não configuram, também, crimes, já que 92% deles teria causado algum prejuízo financeiro. Eis, portanto, o primeiro aspecto e que deixa intrínseco o questionamento quanto à avaliação criminal dos cyberataques.
Outra coisa que não ficou clara é quanto à natureza do cyberataque: negação de serviço, envenenamento de DNS, fraudes, ataques à páginas web etc.
Leia mais sobre o assunto: TI Inside, nesta reportagem de Fevereiro de 2010
Bom, por hoje era só. Leiam os relatórios e tirem suas próprias conclusões a respeito. Se quiserem opinar aqui, deixem seu comentário.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Facebook: endereço de envio de intimações e/ou ordens judiciais

Achei interessante atualizar (fev/2018) esse post de outubro de 2011, visando deixar a informação mais correta e atualizada em relação aos procedimentos no Facebook: Várias pessoas me perguntam(vam) sobre o endereço do Facebook, que anunciou, em 2011, abrir um escritório no Brasil. Todo o procedimento de tratamento está explicado no nosso livro, escrito com o Dr. Higor Jorge: Crimes Cibernéticos - Ameaças e Procedimentos de Investigação. Veja como adquirir o livro: Como adquirir os livros? O resultado da pesquisa do registro do domínio nos remete a um escritório de registro de propriedade intelectual, porém, o escritório para envio de ordens judiciais e/ou intimações, além de requerimentos, é o seguinte: FACEBOOK SERVICOS ONLINE DO BRASIL LTDA Rua Leopoldo Couto de Magalhães Júnior, 700, 5º Andar, Bairro Itaim Bibi, São Paulo-SP, CEP 04542-000 - Fonte:  Jucesp Online Não sabíamos como seria o tratamento das informações e respostas às solicitações das chamadas

Estamos entre os melhores Delegados de Polícia, segundo Censos de 2017, 2018 e 2019

No ano de 2017 já havíamos sido agraciados com a distinção e citação dentre os melhores Delegados de Polícia na Categoria Jurídica.  Em 2018 e 2019, segundo o Portal Nacional dos Delegados , fomos novamente escolhidos, dentre os Melhores Delegados de Polícia do Brasil, na Categoria Gestão. Assim, ficamos muito lisonjeados pelo reconhecimento nacional em termos de gestão , especialmente pelo trabalho frente ao Conselho Nacional de Chefes de Polícia Civil, o CONCPC, e, também, da atividade de inteligência. Vejam a lista completa dos agraciados de 2019, clicando aqui . Seguimos em frente. Deixamos a Chefia da Polícia Civil do RS, deixamos a área de inteligência, porém na vamos continuar nos dedicando à atividade de Segurança Pública.

Tecnologia da Informação & Direito: um livro para o profissional de TIC

Após um longo período do projeto, iniciado lá em 2014 e interrompido em 2015, finalmente (não é em tom de reclamação, mas motivado pela falta de tempo!), lancamos em 2018 o livro: Tecnologia da Informação & Direito. O livro é fruto de uma parceria com a Profª Drª Ângela Kretschmann e visa a trazer aos neófitos nos estudos da interação entre as novas tecnologias e a percepção/recepção pelo Direito, especialmente no brasileiro. Um pouco sobre o livro: Existe um diálogo muito produtivo entre os profissionais da área jurídica e os da tecnológica, que promove contínuo aperfeiçoamento dos dois campos. Nesse sentido, o livro aborda uma noção geral que envolve o estudo do Direito e da Tecnologia, os principais pontos polêmicos que instigam a análise jurídica e o desenvolvimento do Direito para a solução de conflitos típicos da era digital. O enfoque é dado, em especial, após um apanhado geral do Direito, às áreas do direito do consumidor, direito à imagem, delitos cibernéti