Pular para o conteúdo principal

Software de análise nas redes sociais. Espionagem??

Sorria, você é espionado
O Social Network Analysis é um dos muitos softwares usados por empresas para vasculharem a rede para criar perfis de comportamento de usuários (inclusive de você)

Por RITA lOIOLA - Revista Galileu


 
Sua vida virtual é vigiada. Eles sabem seu endereço, o nome da sua mãe, quanto você gasta em compras, quem são seus vizinhos e até quanto tempo você passa no telefone. “Eles” são sua seguradora, seu supermercado, sua companhia de celular e qualquer outra empresa que trabalhe com dados que viajam pelo espaço. Afinal, como um cartão de crédito sem tarifas chega sozinho na porta da sua casa? “Todo mundo é monitorado”, diz Rui Bueno, especialista em inteligência de negócios do SAS, multinacional de inteligência analítica. “A questão é que nem todas as informações disponíveis são interessantes e as legislações nacionais às vezes proíbem certas ações. Mas qualquer informação virtual pode ser rastreada.”
 
Outro problema para seus dados serem usados é que, simplesmente, eles são muitos. Selecionar o que é importante virou tarefa para empresas com especializadas em análise de dados, com sistemas refinados de pesquisa. O último dos programas para decompor a vida virtual dos indivíduos foi lançado em meados desse ano pela SAS. Chama Análise de Redes Sociais (Social Network Analysis) e seu princípio é a premissa matemática clássica de que todas as pessoas estão interligadas, mas afastadas por apenas seis graus. A análise das informações é feita filtrando as pessoas em grupos por afinidades. Pode ser endereço, preferências, idade, telefone, sites que visita.
 
Com essas informações, são identificados os papéis sociais de cada um no conjunto, como líderes e seguidores. “O modelo matemático que criamos mede o grau de influência de uma pessoa para outra”, afirma Rui. “A ideia é mapear o perfil, principalmente do líder desses grupos virtuais, detectar os padrões e prever comportamentos.” Assim se, por acaso, o seu perfil bate com o de uma pessoa, digamos, que enrola a seguradora do carro, você vai ser olhado de outra forma pelo seu corretor de seguros – mesmo que você seja honestíssimo. “As pessoas são moldadas por suas relações, e o sistema apenas transforma isso em matemática”, diz Rui.
 
Mas e se fosse possível apagar alguns desses dados, como o proposto pelo empresa Tele2, da Suécia? Em maio, os proprietários de um dos maiores provedores de serviços para internet do país decidiram apagar a identificação dos clientes. A polícia não gostou e abriu-se um amplo debate sobre privacidade na internet. Há alguns anos, programas como o Browzar ajudam a apagar os rastros da internet – ou pelo menos do computador, dificultando a ação de invasores virtuais. Mas isso ainda não impede que dados bancários ou aquele CPF necessário em qualquer atendimento telefônico vagueiem por aí.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Facebook: endereço de envio de intimações e/ou ordens judiciais

Achei interessante atualizar (fev/2018) esse post de outubro de 2011, visando deixar a informação mais correta e atualizada em relação aos procedimentos no Facebook: Várias pessoas me perguntam(vam) sobre o endereço do Facebook, que anunciou, em 2011, abrir um escritório no Brasil. Todo o procedimento de tratamento está explicado no nosso livro, escrito com o Dr. Higor Jorge: Crimes Cibernéticos - Ameaças e Procedimentos de Investigação. Veja como adquirir o livro: Como adquirir os livros? O resultado da pesquisa do registro do domínio nos remete a um escritório de registro de propriedade intelectual, porém, o escritório para envio de ordens judiciais e/ou intimações, além de requerimentos, é o seguinte: FACEBOOK SERVICOS ONLINE DO BRASIL LTDA Rua Leopoldo Couto de Magalhães Júnior, 700, 5º Andar, Bairro Itaim Bibi, São Paulo-SP, CEP 04542-000 - Fonte:  Jucesp Online Não sabíamos como seria o tratamento das informações e respostas às solicitações das chamadas

Estamos entre os melhores Delegados de Polícia, segundo Censos de 2017, 2018 e 2019

No ano de 2017 já havíamos sido agraciados com a distinção e citação dentre os melhores Delegados de Polícia na Categoria Jurídica.  Em 2018 e 2019, segundo o Portal Nacional dos Delegados , fomos novamente escolhidos, dentre os Melhores Delegados de Polícia do Brasil, na Categoria Gestão. Assim, ficamos muito lisonjeados pelo reconhecimento nacional em termos de gestão , especialmente pelo trabalho frente ao Conselho Nacional de Chefes de Polícia Civil, o CONCPC, e, também, da atividade de inteligência. Vejam a lista completa dos agraciados de 2019, clicando aqui . Seguimos em frente. Deixamos a Chefia da Polícia Civil do RS, deixamos a área de inteligência, porém na vamos continuar nos dedicando à atividade de Segurança Pública.

Tecnologia da Informação & Direito: um livro para o profissional de TIC

Após um longo período do projeto, iniciado lá em 2014 e interrompido em 2015, finalmente (não é em tom de reclamação, mas motivado pela falta de tempo!), lancamos em 2018 o livro: Tecnologia da Informação & Direito. O livro é fruto de uma parceria com a Profª Drª Ângela Kretschmann e visa a trazer aos neófitos nos estudos da interação entre as novas tecnologias e a percepção/recepção pelo Direito, especialmente no brasileiro. Um pouco sobre o livro: Existe um diálogo muito produtivo entre os profissionais da área jurídica e os da tecnológica, que promove contínuo aperfeiçoamento dos dois campos. Nesse sentido, o livro aborda uma noção geral que envolve o estudo do Direito e da Tecnologia, os principais pontos polêmicos que instigam a análise jurídica e o desenvolvimento do Direito para a solução de conflitos típicos da era digital. O enfoque é dado, em especial, após um apanhado geral do Direito, às áreas do direito do consumidor, direito à imagem, delitos cibernéti