Pular para o conteúdo principal

Portugal: “Agente encoberto”, a nova arma contra o cibercrime



A nova Lei do Cibercrime entra em vigor esta quinta-feira e com ela chegam novas regras, onde se inclui o chamado “agente encoberto” para atacar, por exemplo, a pedofilia na Internet.

Este é o segundo diploma do género a entrar em vigor no espaço de três meses, uma vez que já desde Agosto as operadoras de telecomunicações são obrigadas a guardar os dados dos seus clientes durante um ano.

Os diplomas têm ambos origem em directivas comunitárias e, juntas, são consideradas fundamentais para combater o crime informático. Não só porque substituem legislação em vigor há 18 anos, como introduzem conceitos até aqui inexistentes na lei nacional.

Em causa está, em primeiro lugar, a Lei da Conservação e Transmissão de Dados, que obriga as operadoras a guardar registos durante um ano e que entrou em vigor em Agosto e, agora, entra em vigor esta quinta-feira a chamada Lei do Cibercrime, que vem actualizar a tipificação dos crimes, as respectivas sanções penais, mas também dar algumas novas ferramentas às policias.

No caso da Conservação dos Dados a que as operadoras de telecomunicações agora ficam obrigadas, a ajuda nas investigações é indiscutível.

Carlos Cabreiro, o coordenador do combate ao crime informático da Polícia Judiciária, revela que, actualmente, só era possível aceder a dados com três ou quatro meses, o tempo que as empresas precisavam para facturar serviços. Esse curto espaço de tempo, inviabilizava muitas investigações.

A esta nova possibilidade junta-se agora a Lei que actualiza o nome que é dado a alguns crimes, sobretudo as inúmeras variantes com que os investigadores vão sendo surpreendidos.

“Vem definitivamente clarificar a existência do crime relacionado com a difusão de vírus, vem punir a produção, venda e distribuição de programas maliciosos e existem depois os crimes de falsidade informática”, explica Carlos Cabreiro.

Para além de aproximar o texto legislativo da realidade, esta nova Lei do Cibercrime também prevê avanços operacionais, alguns deles aqui descritos por Carlos Cabreiro: “a nossa inclusão numa rede de contactos 24 horas, sete dias por semana, que será um serviço de prevenção ao crime informático em todo o mundo, temos também uma nova possibilidade de acções encobertas na Internet”.

Os agentes encobertos, por exemplo, irão com toda a certeza actuar em “chats” de conversação habitualmente usados por pedófilos ou até mesmo para perseguir quem usa o chamado “phishing”, burla sobre a qual existem actualmente 300 inquéritos na Judiciária.

Com estes dois novos diplomas, que por serem transpostos de directivas comunitárias também têm a vantagem de uniformizarem práticas e linguagens em toda a Europa, a Polícia Judiciária diz que estão alcançados objectivos prioritários.

Fonte: site Renascença - Portugal

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Facebook: endereço de envio de intimações e/ou ordens judiciais

Achei interessante atualizar (fev/2018) esse post de outubro de 2011, visando deixar a informação mais correta e atualizada em relação aos procedimentos no Facebook: Várias pessoas me perguntam(vam) sobre o endereço do Facebook, que anunciou, em 2011, abrir um escritório no Brasil. Todo o procedimento de tratamento está explicado no nosso livro, escrito com o Dr. Higor Jorge: Crimes Cibernéticos - Ameaças e Procedimentos de Investigação. Veja como adquirir o livro: Como adquirir os livros? O resultado da pesquisa do registro do domínio nos remete a um escritório de registro de propriedade intelectual, porém, o escritório para envio de ordens judiciais e/ou intimações, além de requerimentos, é o seguinte: FACEBOOK SERVICOS ONLINE DO BRASIL LTDA Rua Leopoldo Couto de Magalhães Júnior, 700, 5º Andar, Bairro Itaim Bibi, São Paulo-SP, CEP 04542-000 - Fonte:  Jucesp Online Não sabíamos como seria o tratamento das informações e respostas às solicitações das chamadas

Estamos entre os melhores Delegados de Polícia, segundo Censos de 2017, 2018 e 2019

No ano de 2017 já havíamos sido agraciados com a distinção e citação dentre os melhores Delegados de Polícia na Categoria Jurídica.  Em 2018 e 2019, segundo o Portal Nacional dos Delegados , fomos novamente escolhidos, dentre os Melhores Delegados de Polícia do Brasil, na Categoria Gestão. Assim, ficamos muito lisonjeados pelo reconhecimento nacional em termos de gestão , especialmente pelo trabalho frente ao Conselho Nacional de Chefes de Polícia Civil, o CONCPC, e, também, da atividade de inteligência. Vejam a lista completa dos agraciados de 2019, clicando aqui . Seguimos em frente. Deixamos a Chefia da Polícia Civil do RS, deixamos a área de inteligência, porém na vamos continuar nos dedicando à atividade de Segurança Pública.

Tecnologia da Informação & Direito: um livro para o profissional de TIC

Após um longo período do projeto, iniciado lá em 2014 e interrompido em 2015, finalmente (não é em tom de reclamação, mas motivado pela falta de tempo!), lancamos em 2018 o livro: Tecnologia da Informação & Direito. O livro é fruto de uma parceria com a Profª Drª Ângela Kretschmann e visa a trazer aos neófitos nos estudos da interação entre as novas tecnologias e a percepção/recepção pelo Direito, especialmente no brasileiro. Um pouco sobre o livro: Existe um diálogo muito produtivo entre os profissionais da área jurídica e os da tecnológica, que promove contínuo aperfeiçoamento dos dois campos. Nesse sentido, o livro aborda uma noção geral que envolve o estudo do Direito e da Tecnologia, os principais pontos polêmicos que instigam a análise jurídica e o desenvolvimento do Direito para a solução de conflitos típicos da era digital. O enfoque é dado, em especial, após um apanhado geral do Direito, às áreas do direito do consumidor, direito à imagem, delitos cibernéti