Pular para o conteúdo principal

Notícia: Criado Grupo de Prevenção e Combate ao Terrorismo no Brasil

Estou postando, abaixo, notícia divulgada no site Defesa.net sobre a criação de grupo anti-terrorismo:

Defesa@Net 11 Junho 2009
Reinaldo Azevedo 11 Junho 2009
Reinaldo Azevedo
Gabinete de Segurança Institucional

Depois de Prisão de Membro da Al Qaeda, General Felix Cria Grupo de Prevenção e Combate ao Terrorismo


O Gabinete da Segurança Institucional, do general Jorge Félix, órgão que pertence à Presidência da República, criou um grupo interministerial destinado ao “combate e à prevenção do terrorismo” no Brasil (a questão é saber com que lei; já chego ao ponto). A decisão foi tomada depois da prisão do tal libanês que tem ligações com a Al Qaeda. Saibam: não foi o primeiro caso. Outro já havia sido preso, e igualmente solto, em Foz do Iguaçu. Como vocês viram, o governo negou qualquer preocupação na área — Tarso Genro (Justiça) em particular. Para quem, irresponsavelmente, não se dizia preocupado, até que a decisão foi rápida. Para um governo que tivesse juízo, ela tem anos de atraso. A portaria criando o grupo, de nº 22, foi publicada ontem no Diário Oficial.

Não é só. Pessoas suspeitas de ligação com o atentado à entidade judaica Amia, de Buenos Aires, têm feito o trajeto Brasil-Irã, Irã-Brasil. Em 1994, o atentado matou 85 pessoas

No dia 20 de maio, a agência Efe deu a seguinte notícia, com pouca repercussão por aqui:

Um procurador da Argentina pediu hoje à Justiça a detenção de um colombiano acusado de ter participado do atentado terrorista cometido contra um consórcio judaico de Buenos Aires que, em 1994, deixou 85 mortos.

O procurador-geral Alberto Nisman anunciou em entrevista coletiva que pediu ao juiz federal Rodolfo Canicoba Corral que ordene a captura do colombiano Samuel Salman el-Reda, íntimo colaborador de Moshen Rabbani, ex-responsável cultural da embaixada do Irã em Buenos Aires e sobre quem pesa um pedido de captura internacional.
Nisman identificou Reda como um dos “máximos responsáveis” da conexão local do atentado por “participar da preparação e consumação do ataque”.

Segundo o procurador, Reda, que supostamente está no Líbano, fazia parte do núcleo mais radical da comunidade muçulmana na Argentina, país ao qual tinha chegado em 1987.

O acusado, que se casou em 1989 com a argentina Silvina Saín, viveu em Buenos Aires durante longos períodos nos sete anos que antecederam o atentado com carro-bomba contra a sede da Associação Mutual Israelita Argentina (Amia).

O procurador explicou que os investigadores identificaram um telefone celular registrado em Foz do Iguaçu (PR) ao qual Reda ligou em várias ocasiões a partir de Buenos Aires.

A cidade paranaense fica na área da Tríplice Fronteira com o Paraguai e a Argentina, e onde se presume que operam células terroristas islâmicas.

Nisman afirmou que, entre 1º e 18 de julho de 1994, dia em que ocorreu a explosão da Amia, Reda ligou também aos telefones da central do Hezbollah, no Líbano, e a diferentes membros desse grupo islâmico radicados na Tríplice Fronteira.

“Ele (El Reda) foi quem coordenou a chegada ao país, estadia e partida do grupo operacional (responsável pelos atentados), assim como as operações de logística e demais atividades que o grupo executou na fase final do ataque”, afirma a decisão do procurador, à qual a Agência Efe teve acesso.

Voltei
No dia 27 do mês passado, o caso foi reaberto. Israel, EUA e a própria Justiça argentina acusam o Hezbollah e o Irã pelo ataque. Adiante.

Embora o terrorismo seja crime imprescritível na Constituição brasileira, o fato é que inexiste uma lei que defina o que é terrorismo e que especifique uma pena. Adivinhem quem é contra a sua criação? Acertou quem chutou Tarso Genro. Referindo-se àquele membro da Al Qaeda preso no Brasil, este gigante da ética chamou terrorismo de “crime de opinião”.

No dia 28 de maio, expliquei aqui por que tantos são contra a criação de tal lei. Reproduzo um trecho:

E por que ninguém se ocupa de estabelecer uma lei específica para os crimes de terrorismo? Porque isso criaria dificuldades internas e externas. Sim, senhores! No dia em que uma lei criar punição específica, o primeiro grupo a ser enquadrado é o MST. Mais: quando o Brasil tiver tal texto, terá de parar de flertar com terroristas latino-americanos ou do Oriente Médio, como faz hoje em dia.
E não que o país já não tenha sido ou não seja permanentemente confrontado com situações que pedem essa definição: os atos do PCC, em São Paulo, em 2006 são considerados terroristas em eu qualquer país civilizado do mundo. O mesmo se diga dos narcotraficantes do Rio, que, freqüentemente, usam a população civil como escudo. Assim, Tarso está obviamente errado. Como sempre.

Essa é, diga-se, mais uma bandeira que as oposições poderiam e deveriam assumir. Até em benefício do combate ao crime organizado. Não ignoro todo o debate sobre a eficiência ou não da tal “Lei dos Crimes Hediondos”, que tanto divide juristas. Nem entro no mérito agora. O país precisa de uma legislação excepcional — como fazem, reitero, outras democracias — que puna, também com rigor excepcional, aqueles que expõem coletividades em risco (ou que “organizam” tais ações) para alcançar seus objetivos. E a excepcionalidade não deve estar apenas numa pena mais longa ou na imprescritibilidade do crime. Terroristas não podem ter os mesmos direitos de presos comuns.

E a tarefa é urgente. E não só para conter os terroristas nativos. Também para poder enfrentar os que vêm de fora. Porque, efetivamente, eles já estão ente nós. Como bem sabem a Polícia Federal e o FBI.
Abraço a todos e boa leitura. Emerson Wendt

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Facebook: endereço de envio de intimações e/ou ordens judiciais

Achei interessante atualizar (fev/2018) esse post de outubro de 2011, visando deixar a informação mais correta e atualizada em relação aos procedimentos no Facebook:
Várias pessoas me perguntam(vam) sobre o endereço do Facebook, que anunciou, em 2011, abrir um escritório no Brasil.
Todo o procedimento de tratamento está explicado no nosso livro, escrito com o Dr. Higor Jorge: Crimes Cibernéticos - Ameaças e Procedimentos de Investigação. Veja como adquirir o livro: Como adquirir os livros? O resultado da pesquisa do registro do domínio nos remete a um escritório de registro de propriedade intelectual, porém, o escritório para envio de ordens judiciais e/ou intimações, além de requerimentos, é o seguinte: FACEBOOK SERVICOS ONLINE DO BRASIL LTDARua Leopoldo Couto de Magalhães Júnior, 700, 5º Andar, Bairro Itaim Bibi, São Paulo-SP, CEP 04542-000
- Fonte: Jucesp Online Não sabíamos como seria o tratamento das informações e respostas às solicitações das chamadas forças da lei (law enforcemen…

Recomendações a pais, professores e escolas quanto às ameaças de atentado

Pós fato Suzano/SP, o alvoroço nas mídias sociais foi muito grande. Em alguns Estados mais do que outros. Muita trollagen para gerar pânico. Sendo assim, é importante algumas precauções por parte dos colégios/escolas:

Existência de meios físicos de contenção e controle:

- catraca/controle eletrônico de acesso
- controle de entrada e saída de visitantes, com registros de dados
- videomonitoramento, com gravação por pelo menos 10 dias. Ideal é 30 dias

Mecanismos preventivos:

- formatar equipe (interna ou mista interna/externa) de avaliação de ameaças;
- definir comportamentos por ordem de risco e necessidade de contingenciamento;
- definir condutas que demandam intervenção imediata (por exemplo, porte de arma, postagem em redes sociais);
- criar e gerir um sistema anônimo que permita reportar informações com condutas de risco (e-mail, telefone etc.);
- promover ambiente alicerçado em uma cultura de segurança, respeito, confiança e apoio emocional;
- incentivar alunos a compartilhar suas …

Estamos entre os melhores Delegados de Polícia, segundo Censos de 2017, 2018 e 2019

No ano de 2017 já havíamos sido agraciados com a distinção e citação dentre os melhores Delegados de Polícia na Categoria Jurídica. 


Em 2018 e 2019, segundo o Portal Nacional dos Delegados, fomos novamente escolhidos, dentre os Melhores Delegados de Polícia do Brasil, na Categoria Gestão.


Assim, ficamos muito lisonjeados pelo reconhecimento nacional em termos de gestão, especialmente pelo trabalho frente ao Conselho Nacional de Chefes de Polícia Civil, o CONCPC, e, também, da atividade de inteligência. Vejam a lista completa dos agraciados de 2019, clicando aqui.

Seguimos em frente. Deixamos a Chefia da Polícia Civil do RS, deixamos a área de inteligência, porém na vamos continuar nos dedicando à atividade de Segurança Pública.