Pular para o conteúdo principal

Banco Mundial e UNODC lançam guia para a recuperação de recursos de origem ilícita

A alienação antecipada é muitas vezes a única opção disponível o acusado está morto, fugiu da jurisdição, é imune à acusação ou é poderoso demais para se processado
Viena, 5 de maio 2009 - O Banco Mundial e UNODC publicaram no dia 4 de maio um novo guia para ajudar os estados a recuperar recursos de origem ilícita, mesmo quando não tenha havido uma condenação para o crime.
A publicação Recuperação de Ativos Perdidos: Um Guia de Boas Práticas para Recuperação de Ativos por Alienação Antecipada foi produzida pela iniciativa conjunta do Banco Mundial e do UNODC para Recuperação de Ativos (StAR, na sigla em inglês), voltada ao combate da corrupção em todo o mundo.
"A recuperação de ativos pode ser um processo longo, caro e imprevisível. São necessárias abordagens inovadoras para facilitar a recuperação de ativo e para melhorar suas perspectivas de sucesso", disse Theodore S. Greenberg, especialista financeiro do Banco Mundial e co-autor do guia. "A recuperação de ativos por alienação antecipada é uma inovação que pode ser adaptada às necessidades de vários países com diferentes tradições jurídicas. O guia explica como eles podem fazer uso dessa ferramenta em seus programas de recuperação de ativos".
A recuperação de ativos por alienação antecipada é um regime legal que prevê a apreensão e confisco (recuperação) do produto de crimes graves, incluindo a corrupção, sem a necessidade de uma condenação penal. É muitas vezes a única opção disponível para governos, quando o funcionário corrupto ou a pessoa que pagou o suborno está morta, fugiu da jurisdição, é imune à acusação ou é poderosa demais para se processada - todos fatos comuns nos grandes casos de corrupção.
Um número crescente de jurisdições passou a estabelecer um sistema que permite a alienação antecipada para a recuperação de ativos, ferramenta que também é recomendada pela Convenção das Nações Unidas contra a Corrupção, convenção da qual o UNODC é guardião.
Resultado da colaboração entre especialistas de 17 países regidos pelo direito civil e pela Common Law, o guia identifica os principais conceitos jurídicos, operacionais e práticos que devem ser incluídos nos processos de recuperação de ativos por alienação antecipada. O livro apresenta estudos de caso da Colômbia, na Irlanda, no Kuwait, na Suíça, na Tailândia e no Reino Unido (Guernsey), além de ferramentas úteis, tais como modelos judiciais e de investigação e orientações de planejamento pré-apreensão.
Novos casos e informações adicionais por país serão adicionados ao guia no site da iniciativa StAR. A iniciativa StAR foi lançada em Setembro de 2007 pelo Secretário-Geral Ban Ki-moon, pelo presidente do Grupo Banco Mundial, Robert B. Zoellick, e pelo Diretor Executivo do UNODC, Antonio Maria Costa.
A iniciativa destaca que países desenvolvidos e em desenvolvimento partilham uma responsabilidade conjunta na luta contra a corrupção e que a colaboração internacional e a ação coletiva são necessárias para facilitar a recuperação de recursos de origem ilícita e prevenir o desvio de ativos.
Mais informações: Assessoria de imprensa UNODC - Escritório para o Brasil e Cone Sul Tel: 61-3204-7200E-mail: unodc.brasil@unodc.org
O documento está disponível no site da StAR.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Facebook: endereço de envio de intimações e/ou ordens judiciais

Achei interessante atualizar (fev/2018) esse post de outubro de 2011, visando deixar a informação mais correta e atualizada em relação aos procedimentos no Facebook: Várias pessoas me perguntam(vam) sobre o endereço do Facebook, que anunciou, em 2011, abrir um escritório no Brasil. Todo o procedimento de tratamento está explicado no nosso livro, escrito com o Dr. Higor Jorge: Crimes Cibernéticos - Ameaças e Procedimentos de Investigação. Veja como adquirir o livro: Como adquirir os livros? O resultado da pesquisa do registro do domínio nos remete a um escritório de registro de propriedade intelectual, porém, o escritório para envio de ordens judiciais e/ou intimações, além de requerimentos, é o seguinte: FACEBOOK SERVICOS ONLINE DO BRASIL LTDA Rua Leopoldo Couto de Magalhães Júnior, 700, 5º Andar, Bairro Itaim Bibi, São Paulo-SP, CEP 04542-000 - Fonte:  Jucesp Online Não sabíamos como seria o tratamento das informações e respostas às solicitações das chamadas

Estamos entre os melhores Delegados de Polícia, segundo Censos de 2017, 2018 e 2019

No ano de 2017 já havíamos sido agraciados com a distinção e citação dentre os melhores Delegados de Polícia na Categoria Jurídica.  Em 2018 e 2019, segundo o Portal Nacional dos Delegados , fomos novamente escolhidos, dentre os Melhores Delegados de Polícia do Brasil, na Categoria Gestão. Assim, ficamos muito lisonjeados pelo reconhecimento nacional em termos de gestão , especialmente pelo trabalho frente ao Conselho Nacional de Chefes de Polícia Civil, o CONCPC, e, também, da atividade de inteligência. Vejam a lista completa dos agraciados de 2019, clicando aqui . Seguimos em frente. Deixamos a Chefia da Polícia Civil do RS, deixamos a área de inteligência, porém na vamos continuar nos dedicando à atividade de Segurança Pública.

Tecnologia da Informação & Direito: um livro para o profissional de TIC

Após um longo período do projeto, iniciado lá em 2014 e interrompido em 2015, finalmente (não é em tom de reclamação, mas motivado pela falta de tempo!), lancamos em 2018 o livro: Tecnologia da Informação & Direito. O livro é fruto de uma parceria com a Profª Drª Ângela Kretschmann e visa a trazer aos neófitos nos estudos da interação entre as novas tecnologias e a percepção/recepção pelo Direito, especialmente no brasileiro. Um pouco sobre o livro: Existe um diálogo muito produtivo entre os profissionais da área jurídica e os da tecnológica, que promove contínuo aperfeiçoamento dos dois campos. Nesse sentido, o livro aborda uma noção geral que envolve o estudo do Direito e da Tecnologia, os principais pontos polêmicos que instigam a análise jurídica e o desenvolvimento do Direito para a solução de conflitos típicos da era digital. O enfoque é dado, em especial, após um apanhado geral do Direito, às áreas do direito do consumidor, direito à imagem, delitos cibernéti