Pular para o conteúdo principal

O que diz o projeto de lei sobre acesso a informações públicas


Proposta do governo federal que altera acesso a informações públicas ainda precisa ser votada no Congresso.

Fonte: Folha de S.Paulo, de 14/05/2009 - 02h30


Vigência

Após ser aprovada no Congresso e sancionada pelo presidente da República, a lei passa a valer 120 dias depois

Abrangência

A nova regra é específica sobre os procedimentos apenas para a administração pública federal. As outras instâncias de governo terão de editar regulamentações específicas

Pedido de informação

Qualquer pessoa está autorizada a requerer informação, brasileira ou estrangeira. Basta identificar-se e dizer qual é o dado procurado

Prazo para fornecer informação

São 20 dias corridos, prorrogáveis por mais 10 dias, com notificação ao interessado

Guichês de acesso

Os órgãos públicos ficam obrigados a criar o serviço de informações ao cidadão para "atender e orientar o público quanto ao acesso a informações, informar sobre a tramitação de documentos nas suas respectivas unidades" e "protocolar documentos"

Custo

A informação deverá ser entregue gratuitamente. Quando houver necessidade de fotocopiar dados, "poderá ser cobrado exclusivamente o valor necessário ao ressarcimento do custo". Quem não tiver condição de pagar pela reprodução dos documentos poderá requerer dispensa dessa obrigação

Internet

Todos os órgãos terão de oferecer, "em local de fácil acesso", preferencialmente na internet, informações como "competências e estrutura organizacional, endereços e telefones e horários de atendimento" e "registros de quaisquer repasses de recursos, despesas", "procedimentos licitatórios, contratos celebrados" e "dados gerais para o acompanhamento de programas, ações, projetos e obras de órgãos e entidades"

Ferramenta de busca

O site de cada órgão deverá oferecer "ferramenta de pesquisa de conteúdo que permita o acesso à informação de forma objetiva, transparente, clara e em linguagem de fácil compreensão"

Dado não fornecido

Quando a informação não puder ser oferecida, o interessado receberá explicação a respeito e uma instrução sobre como recorrer da decisão

Recursos

A primeira instância a recorrer é sempre dentro do próprio órgão que negar a informação. A segunda, para órgãos da administração pública federal, será a CGU (Corregedoria Geral da União). A lei deixa em aberto esse aspecto para Congresso, Judiciário, Estados, Distrito Federal e municípios --que terão de decidir qual será sua segunda instância

CLASSIFICAÇÃO DAS INFORMAÇÕES

A - ultrassecreta: prazo de sigilo de 25 anos

B - secreta: prazo de sigilo de 15 anos

C - reservada: prazo de sigilo de 5 anos

Sigilo eterno

Ao final dos prazos, documentos podem ter seus períodos de sigilo renovados indefinidamente se for uma decisão referendada pela Comissão de Reavaliação de Informações, composta por ministros e comandada pela Casa Civil

Desclassificação

Se não houver pedido de renovação de sigilo, ao final dos prazos "a informação tornar-se-á, automaticamente, de acesso público"

Listas de documentos secretos

Os órgãos ficam obrigados a publicar na internet, anualmente, uma relação das informações que deixaram de ser sigilosas e o número de documentos classificados em cada grau de sigilo

Informações pessoais

Dados relativos "à intimidade, vida privada, honra e imagem" de indivíduos "terão seu acesso restrito, independentemente de classificação de sigilo, e pelo prazo máximo de cem anos a contar da sua data de produção"

Penalidade

Agente público que se recusar a fornecer informação, retardar deliberadamente seu fornecimento ou fornecer o dado intencionalmente de forma incorreta responderá por improbidade administrativa e poderá receber advertência, multa e demissão do serviço público. As sanções terão de ser aplicadas no prazo de dez dias úteis

Documentos anteriores à existência da lei

Os órgãos terão dois anos para "proceder à reavaliação das informações classificadas como ultrassecretas e secretas" já existentes antes da nova regra. Dados secretos e ultrassecretos não reavaliados no prazo serão considerados de acesso público.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Facebook: endereço de envio de intimações e/ou ordens judiciais

Achei interessante atualizar (fev/2018) esse post de outubro de 2011, visando deixar a informação mais correta e atualizada em relação aos procedimentos no Facebook: Várias pessoas me perguntam(vam) sobre o endereço do Facebook, que anunciou, em 2011, abrir um escritório no Brasil. Todo o procedimento de tratamento está explicado no nosso livro, escrito com o Dr. Higor Jorge: Crimes Cibernéticos - Ameaças e Procedimentos de Investigação. Veja como adquirir o livro: Como adquirir os livros? O resultado da pesquisa do registro do domínio nos remete a um escritório de registro de propriedade intelectual, porém, o escritório para envio de ordens judiciais e/ou intimações, além de requerimentos, é o seguinte: FACEBOOK SERVICOS ONLINE DO BRASIL LTDA Rua Leopoldo Couto de Magalhães Júnior, 700, 5º Andar, Bairro Itaim Bibi, São Paulo-SP, CEP 04542-000 - Fonte:  Jucesp Online Não sabíamos como seria o tratamento das informações e respostas às solicitações das chamadas

Estamos entre os melhores Delegados de Polícia, segundo Censos de 2017, 2018 e 2019

No ano de 2017 já havíamos sido agraciados com a distinção e citação dentre os melhores Delegados de Polícia na Categoria Jurídica.  Em 2018 e 2019, segundo o Portal Nacional dos Delegados , fomos novamente escolhidos, dentre os Melhores Delegados de Polícia do Brasil, na Categoria Gestão. Assim, ficamos muito lisonjeados pelo reconhecimento nacional em termos de gestão , especialmente pelo trabalho frente ao Conselho Nacional de Chefes de Polícia Civil, o CONCPC, e, também, da atividade de inteligência. Vejam a lista completa dos agraciados de 2019, clicando aqui . Seguimos em frente. Deixamos a Chefia da Polícia Civil do RS, deixamos a área de inteligência, porém na vamos continuar nos dedicando à atividade de Segurança Pública.

Livro Direito & TI: Cibercrimes: debates contemporâneos sobre a ciberciminalidade

Em 2019 lançamos outro livro com destaque na área de Direito e Tecnologia da Informação. A obra Direito & TI: cibercrimes  contou com a participação de inúmeros autores do Brasil, México e Portugal. O release do livro: A cibersegurança é uma preocupação global, e as legislações têm muito a evoluir, pois a sociedade espera que o Direito resolva os problemas da Tecnologia da Informação, efetivando um controle sobre as condutas, quando essa perspectiva não é realista. O Direito tem a possibilidade de contingenciar os riscos do dia a dia de qualquer atividade, e, especialmente, o Direito Penal, deve ser a última razão de contingenciamento, estabelecendo a conduta e penas respectivas àquelas condutas que trazem danos aos dados ou a informação. Os autores: Emerson Wendt (organizador), Alberto Enrique Nava Garcés, Alesandro Gonçalves Barreto, Andrey Henrique Andreolla, David Augusto Fernandes, Diana Zanatta, Fernanda Brandt, Gabriel Araújo Souto, Iago de Pádua Grillo, Manuel David Massen