Pular para o conteúdo principal

Ministério Público denuncia policial civil suspeito de pedofilia no interior de SP


Lamentável a participação de policiais em crimes de pedofilia (ou qualquer outro), conforme notícia abaixo:

Fonte: G1.com.br

Homem de 38 anos divulgava imagens de sexo com crianças na internet.
Se condenado, ele pode perder o cargo e ficar preso até oito anos.

O Ministério Público Federal em Jales, no interior de São Paulo, informou nesta quinta-feira (14) que denunciou um policial civil de 38 anos suspeito de disponibilizar na internet arquivos com imagens de pornografia e sexo explícito envolvendo crianças e adolescentes. O homem utilizava um programa de compartilhamento de arquivos pela internet para cometer o crime.

Durante a Operação Carrossel, realizada em dezembro de 2007, a Polícia Federal apreendeu na residência do homem um HD e dois Cds. De acordo com o MPF, ele declarou ser o único usuário do computador e que tinha o costume de baixar arquivos de pornografia.

Após a análise pericial realizada no computador do policial, foram encontrados arquivos contendo vídeos com pornografia e sexo explícito envolvendo crianças e adolescentes, bem como arquivos de fotos em miniatura com o mesmo conteúdo. O registro de compartilhamento de muitos desses arquivos também foram constatados.

Foi constatado também que o denunciado fazia pesquisas utilizando termos que se referiam aos arquivos de pornografia infanto-juvenil disponibilizados no programa de compartilhamento. Os termos fazem referência à idade das crianças.

O policial é acusado do crime previsto no artigo 241 do Estatuto da Criança e Adolescente, cuja pena, na época em que o acusado disponibilizou as imagens na internet, era de 2 a 6 anos.

Em novembro de 2008, a pena para o crime de divulgação de imagens de pornografia infantil, subiu para de 4 a 8 anos de prisão e foi estabelecida punição também para o crime de posse de pornografia infantil.

Entretanto, como a Operação Carrossel ocorreu antes da previsão de punição para essa conduta, o policial não foi acusado por posse e estará sujeito também à pena anterior do crime, se condenado.

Além da denúncia, o MPF pediu o afastamento do acusado de funções, na Polícia Civil, que envolvam atendimento ao público, em razão da gravidade do crime. O homem pode perder o cargo público.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Facebook: endereço de envio de intimações e/ou ordens judiciais

Achei interessante atualizar (fev/2018) esse post de outubro de 2011, visando deixar a informação mais correta e atualizada em relação aos procedimentos no Facebook: Várias pessoas me perguntam(vam) sobre o endereço do Facebook, que anunciou, em 2011, abrir um escritório no Brasil. Todo o procedimento de tratamento está explicado no nosso livro, escrito com o Dr. Higor Jorge: Crimes Cibernéticos - Ameaças e Procedimentos de Investigação. Veja como adquirir o livro: Como adquirir os livros? O resultado da pesquisa do registro do domínio nos remete a um escritório de registro de propriedade intelectual, porém, o escritório para envio de ordens judiciais e/ou intimações, além de requerimentos, é o seguinte: FACEBOOK SERVICOS ONLINE DO BRASIL LTDA Rua Leopoldo Couto de Magalhães Júnior, 700, 5º Andar, Bairro Itaim Bibi, São Paulo-SP, CEP 04542-000 - Fonte:  Jucesp Online Não sabíamos como seria o tratamento das informações e respostas às solicitações das chamadas

Estamos entre os melhores Delegados de Polícia, segundo Censos de 2017, 2018 e 2019

No ano de 2017 já havíamos sido agraciados com a distinção e citação dentre os melhores Delegados de Polícia na Categoria Jurídica.  Em 2018 e 2019, segundo o Portal Nacional dos Delegados , fomos novamente escolhidos, dentre os Melhores Delegados de Polícia do Brasil, na Categoria Gestão. Assim, ficamos muito lisonjeados pelo reconhecimento nacional em termos de gestão , especialmente pelo trabalho frente ao Conselho Nacional de Chefes de Polícia Civil, o CONCPC, e, também, da atividade de inteligência. Vejam a lista completa dos agraciados de 2019, clicando aqui . Seguimos em frente. Deixamos a Chefia da Polícia Civil do RS, deixamos a área de inteligência, porém na vamos continuar nos dedicando à atividade de Segurança Pública.

Tecnologia da Informação & Direito: um livro para o profissional de TIC

Após um longo período do projeto, iniciado lá em 2014 e interrompido em 2015, finalmente (não é em tom de reclamação, mas motivado pela falta de tempo!), lancamos em 2018 o livro: Tecnologia da Informação & Direito. O livro é fruto de uma parceria com a Profª Drª Ângela Kretschmann e visa a trazer aos neófitos nos estudos da interação entre as novas tecnologias e a percepção/recepção pelo Direito, especialmente no brasileiro. Um pouco sobre o livro: Existe um diálogo muito produtivo entre os profissionais da área jurídica e os da tecnológica, que promove contínuo aperfeiçoamento dos dois campos. Nesse sentido, o livro aborda uma noção geral que envolve o estudo do Direito e da Tecnologia, os principais pontos polêmicos que instigam a análise jurídica e o desenvolvimento do Direito para a solução de conflitos típicos da era digital. O enfoque é dado, em especial, após um apanhado geral do Direito, às áreas do direito do consumidor, direito à imagem, delitos cibernéti