Pular para o conteúdo principal

Falso antivírus cobra US$ 50 para liberar arquivos 'sequestrados'

Código ransomware fecha ou criptografa arquivos do PC infectado.
Para evitar o golpe, internautas devem manter computador protegido.

Fonte: G1.com.br

No intuito de faturar em cima dos internautas, golpistas da web criaram um golpe que adiciona aos falsos programas de antivírus um ransomware. Esse tipo de código malicioso pode “sequestrar” arquivos, fechando ou criptografando textos, planilhas, músicas e fotos, entre outros, da pasta “meus documentos”. Segundo a empresa de segurança Trend Micro, que identificou o golpe, os criminosos prometem liberar os arquivos após pagamento de US$ 50.

Em geral, esse tipo de “sequestro” de documentos inclui um alerta, exigindo do usuário o fornecimento de uma sequencia de códigos para a liberação do conteúdo.

A infecção do computador acontece durante a navegação na internet – daí a importância de manter o computador sempre protegido. Após criptografar os arquivos, o código malicioso informa ao usuário que esses documentos foram corrompidos. Ele exibe uma opção de reparo que, quando acessada, leva o internauta para um site que oferece o software FileFix Professional 2009.

Teoricamente, esse programa resolveria o problema, permitindo que os usuários voltassem a acessar seus arquivos “sequestrados”. No entanto, ele libera somente um documento. É aí que entra a oferta de US$ 50, da versão paga do FileFix, que solucionaria o problema por completo – não é certo que a promessa será cumprida após o pagamento.

A empresa alerta que, além de pagar pelo resgate, os internautas podem ficar expostos a perdas maiores. “As informações de pagamento capturadas pelos cibercriminosos podem ser armazenadas para uso próprio ou para venda em fóruns clandestinos”, explica. Ainda de acordo com a Trend Micro, alguns domínios que hospedam essa falso antivírus já estiveram envolvidos em outras fraudes detectadas em 2007.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Facebook: endereço de envio de intimações e/ou ordens judiciais

Achei interessante atualizar (fev/2018) esse post de outubro de 2011, visando deixar a informação mais correta e atualizada em relação aos procedimentos no Facebook: Várias pessoas me perguntam(vam) sobre o endereço do Facebook, que anunciou, em 2011, abrir um escritório no Brasil. Todo o procedimento de tratamento está explicado no nosso livro, escrito com o Dr. Higor Jorge: Crimes Cibernéticos - Ameaças e Procedimentos de Investigação. Veja como adquirir o livro: Como adquirir os livros? O resultado da pesquisa do registro do domínio nos remete a um escritório de registro de propriedade intelectual, porém, o escritório para envio de ordens judiciais e/ou intimações, além de requerimentos, é o seguinte: FACEBOOK SERVICOS ONLINE DO BRASIL LTDA Rua Leopoldo Couto de Magalhães Júnior, 700, 5º Andar, Bairro Itaim Bibi, São Paulo-SP, CEP 04542-000 - Fonte:  Jucesp Online Não sabíamos como seria o tratamento das informações e respostas às solicitações das chamadas

Estamos entre os melhores Delegados de Polícia, segundo Censos de 2017, 2018 e 2019

No ano de 2017 já havíamos sido agraciados com a distinção e citação dentre os melhores Delegados de Polícia na Categoria Jurídica.  Em 2018 e 2019, segundo o Portal Nacional dos Delegados , fomos novamente escolhidos, dentre os Melhores Delegados de Polícia do Brasil, na Categoria Gestão. Assim, ficamos muito lisonjeados pelo reconhecimento nacional em termos de gestão , especialmente pelo trabalho frente ao Conselho Nacional de Chefes de Polícia Civil, o CONCPC, e, também, da atividade de inteligência. Vejam a lista completa dos agraciados de 2019, clicando aqui . Seguimos em frente. Deixamos a Chefia da Polícia Civil do RS, deixamos a área de inteligência, porém na vamos continuar nos dedicando à atividade de Segurança Pública.

Livro Direito & TI: Cibercrimes: debates contemporâneos sobre a ciberciminalidade

Em 2019 lançamos outro livro com destaque na área de Direito e Tecnologia da Informação. A obra Direito & TI: cibercrimes  contou com a participação de inúmeros autores do Brasil, México e Portugal. O release do livro: A cibersegurança é uma preocupação global, e as legislações têm muito a evoluir, pois a sociedade espera que o Direito resolva os problemas da Tecnologia da Informação, efetivando um controle sobre as condutas, quando essa perspectiva não é realista. O Direito tem a possibilidade de contingenciar os riscos do dia a dia de qualquer atividade, e, especialmente, o Direito Penal, deve ser a última razão de contingenciamento, estabelecendo a conduta e penas respectivas àquelas condutas que trazem danos aos dados ou a informação. Os autores: Emerson Wendt (organizador), Alberto Enrique Nava Garcés, Alesandro Gonçalves Barreto, Andrey Henrique Andreolla, David Augusto Fernandes, Diana Zanatta, Fernanda Brandt, Gabriel Araújo Souto, Iago de Pádua Grillo, Manuel David Massen