Pular para o conteúdo principal

Crime organizado estava por trás de 90% dos vazamentos de dados em 2008


Londres ? Em 2008, roubo de dados pessoais totalizou 285 mi de registros, mais que todos os contabilizados entre 2004 e 2007, afirma Verizon.

Por Computerworld/EUA

Publicada em 15 de abril de 2009 às 12h23
Crackers roubaram mais dados em 2008 que a soma dos últimos quatro anos, em ações perpretadas, em sua maioria esmagadora, por organizações criminosas, segundo a pesquisa 2009 Data Breach Investigations Report (DBIR), divulgada pela Verizon nesta quarta-feira (15/04).

O estudo investigou 90 vazamentos de dados que expuseram 285 milhões de registrados, equivalente a nove informações por segundo.

O dado é maior que os 230 milhões de registrados vazados no período entre 2004 e 2007 nos Estados Unidos.

A pesquisa analisou apenas brechas envolvendo ataques que resultaram em registros comprometidos sendo usados em crimes. A Verizon descobriu que 90% de todas as brechas envolviam ações do crime organizado.

O aumento no volume de dados roubados também teve consequências no mercado de venda de informações, com números de cartões de créditos, por exemplo, caindo dos 16 dólares cobrados em 2007 para menos de 50 centavos de dólar atualmente.

Como resultados, fraudes envolvendo números de identificação pessoal explodiram já que criminosos começaram a se focar em consultorias financeiras para roubar os números e associá-los a contas de débito e crédito.

Consultorias financeiras corresponderam a 93% dos mais de 285 milhões de dados roubados.

O relatório aponta também que 74% das fraudes envolviam ameaças vindas de fontes externas à empresa.

Invasões foram os principais métodos que causaram as brechas pelo quinto ano consecutivo, ação envolvida em 94% dos casos de vazamento.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Facebook: endereço de envio de intimações e/ou ordens judiciais

Achei interessante atualizar (fev/2018) esse post de outubro de 2011, visando deixar a informação mais correta e atualizada em relação aos procedimentos no Facebook: Várias pessoas me perguntam(vam) sobre o endereço do Facebook, que anunciou, em 2011, abrir um escritório no Brasil. Todo o procedimento de tratamento está explicado no nosso livro, escrito com o Dr. Higor Jorge: Crimes Cibernéticos - Ameaças e Procedimentos de Investigação. Veja como adquirir o livro: Como adquirir os livros? O resultado da pesquisa do registro do domínio nos remete a um escritório de registro de propriedade intelectual, porém, o escritório para envio de ordens judiciais e/ou intimações, além de requerimentos, é o seguinte: FACEBOOK SERVICOS ONLINE DO BRASIL LTDA Rua Leopoldo Couto de Magalhães Júnior, 700, 5º Andar, Bairro Itaim Bibi, São Paulo-SP, CEP 04542-000 - Fonte:  Jucesp Online Não sabíamos como seria o tratamento das informações e respostas às solicitações das chamadas

Estamos entre os melhores Delegados de Polícia, segundo Censos de 2017, 2018 e 2019

No ano de 2017 já havíamos sido agraciados com a distinção e citação dentre os melhores Delegados de Polícia na Categoria Jurídica.  Em 2018 e 2019, segundo o Portal Nacional dos Delegados , fomos novamente escolhidos, dentre os Melhores Delegados de Polícia do Brasil, na Categoria Gestão. Assim, ficamos muito lisonjeados pelo reconhecimento nacional em termos de gestão , especialmente pelo trabalho frente ao Conselho Nacional de Chefes de Polícia Civil, o CONCPC, e, também, da atividade de inteligência. Vejam a lista completa dos agraciados de 2019, clicando aqui . Seguimos em frente. Deixamos a Chefia da Polícia Civil do RS, deixamos a área de inteligência, porém na vamos continuar nos dedicando à atividade de Segurança Pública.

Tecnologia da Informação & Direito: um livro para o profissional de TIC

Após um longo período do projeto, iniciado lá em 2014 e interrompido em 2015, finalmente (não é em tom de reclamação, mas motivado pela falta de tempo!), lancamos em 2018 o livro: Tecnologia da Informação & Direito. O livro é fruto de uma parceria com a Profª Drª Ângela Kretschmann e visa a trazer aos neófitos nos estudos da interação entre as novas tecnologias e a percepção/recepção pelo Direito, especialmente no brasileiro. Um pouco sobre o livro: Existe um diálogo muito produtivo entre os profissionais da área jurídica e os da tecnológica, que promove contínuo aperfeiçoamento dos dois campos. Nesse sentido, o livro aborda uma noção geral que envolve o estudo do Direito e da Tecnologia, os principais pontos polêmicos que instigam a análise jurídica e o desenvolvimento do Direito para a solução de conflitos típicos da era digital. O enfoque é dado, em especial, após um apanhado geral do Direito, às áreas do direito do consumidor, direito à imagem, delitos cibernéti