Pular para o conteúdo principal

A interdisciplinaridade como uma das bases da inteligência policial

* Eduardo Pascoal de Souza

Em nosso momento global, surge a interdisciplinaridade como um dos conceitos que deve servir de base à doutrina de inteligência policial.

Mas o que é interdisciplinaridade? Qual a sua importância para a Segurança Pública, e mais especificamente, para a inteligência policial?

A interdisciplinaridade é um método de compreensão da realidade em que o objeto de estudo é submetido à análise de segmentos particulares, sendo que da conjugação destes saberes haverá um entendimento abrangente, porém, preciso, daquilo que se pretende conhecer e compreender.

A conseqüência de uma visão integradora do universo e do conhecimento humano, que tende a reunir em conjuntos cada vez mais abrangentes o que fica dissociado pela mente humana. A interdisciplinaridade trata da síntese ou correlação de duas ou várias disciplinas, instaurando um novo nível de discurso caracterizado por uma nova linguagem descritiva e novas relações estruturais. ” (Cordeiro e Silva, 2005 apud SENASP/MJ, 2008, p.31).

A interdisciplinaridade é o atual modelo adotado pela educação, razão pela qual foi deslocada para a moderna gestão de conhecimento da administração pública e privada, assim, surge como novo método para o entendimento global da realidade.

É levada a efeito quando se trata de resolver os grandes e complexos problemas colocados pela sociedade atual: guerra, fome, delinqüência, poluição dentre outros. Trata-se de reunir várias especialidades para encontrar soluções técnicas tendo em vista resolver determinados problemas, apesar das contingências históricas em constante mutação (Carlos, 2007, p.5).”

O fenômeno criminal em sua essência é pluridimensional e multidisciplinar, sendo que por conta da globalização, cresce em complexidade, assim, para ser abordado pelos ramos de atividades pertinentes, dentre eles o da inteligência policial, nada mais adequado que seja feito sob o conceito interdisciplinar.

Inclusive, nos meios em que se discute e pratica a Segurança Pública, é observada a tendência em interdisciplinar saberes, ou seja, estruturar, especializar e interagir conhecimentos, tudo a fim de que o Estado e a Sociedade Civil estejam aptos a lidar com a complexidade de situações que surgem nesta época.

Na polícia norte-americana, nota-se a preocupação de compor-se um quadro de servidores com perfil multidisciplinar, inclusive para a função de análise criminal, tipo de conhecimento que já é um pouco adiantado em relação ao Brasil, no que diz respeito à inteligência policial, senão vejamos:

"A situação da AC (lêia-se Análise Criminal) norte-americana e de alguns outros países é certamente distinta da que se pode determinar no Brasil, a começar pela própria formação básica do policial e do profissional de AC. O processo de treinamento policial nos EUA inclui, afora pré-requisitos específicos de nível de escolaridade (cada vez mais sendo exigido algum tipo de nível superior geral, ou específico em "justiça criminal")...(Dantas, Bair, Magalhães e Filipe, 2007, pag. 3).

Isto porque se verifica na Segurança Pública daquele país, o entendimento da necessidade de existir equipes adequadas para atuar, sob o enfoque interdisciplinar, em situações referentes ao fenômeno criminal.

"Tais processos de recrutamento, seleção, formação e especialização, fazem com que as instituições do setor possam estar também asseguradas de que seus policiais detenham os conhecimentos, técnicas, habilidades e atitudes necessárias para o exercício da atividade, em geral, bem como em áreas específicas como é o caso da AC."(Dantas, Bair, Magalhães e Filipe, 2007, pag. 3 e 4).

No Brasil se verificam algumas instituições em situações semelhantes, dentre elas a Polícia Federal e a Polícia Civil do Distrito Federal, instituições conhecidas por nortearem as suas atividades pela inteligência policial.

Ambas possuem um quadro de pessoal com formação superior e multidisciplinar, que compõem a variedade de cargos especializados das polícias judiciárias (Delegados, Escrivães, Peritos, Peritos-Papiloscopistas, Médicos-Legistas, Agentes de Polícia e Penitenciário).

Destaca-se a Agência Brasileira de Inteligência - ABIN, ante ao contexto apresentado, haja vista que pode se entender que a interdisciplinaridade é uma das razões pela qual esta organização, exige em seu concurso público a formação universitária geral, o que implica na construção de um quadro multidisciplinar de analistas.

Muitos irão se perguntar: qual a vantagem em termos agentes de segurança pública ou mais especificamente, analistas de inteligência policial, com distintas origens de conhecimento, como por exemplo, um proveniente na área de humanas e outro na de exatas?

Observa-se que a questão, dentro do conceito interdisciplinar, não diz respeito somente a conteúdos do conhecimento que os servidores multidisciplinares trazem à sua atividade, o que não deixa de ser relevante também, todavia, a situação vai além disso, uma vez que cada servidor traz consigo a experiência de um método científico próprio, uma maneira de orientar a sua visão para as coisas, pois sabemos que cada ciência pede abordagem particular para o seu exercício e desenvolvimento.

Convém esclarecer que interdisciplinaridade não está relacionada apenas à construção de quadro de servidores multidisciplinares, isto é apenas uma situação decorrente do conceito, que é muito amplo, a interdisciplinaridade ainda diz respeito à cultura organizacional e principalmente, a doutrina pertinente ao conhecimento de algo que é feito, na caso em discussão, a de inteligência policial.

REFERÊNCIAS

CARLOS, Jairo Gonçalves. Interdisciplinaridade: o que é isso?
Programas de Pós-Graduação da CAPES, Universidade de Brasília – UnB. Brasília: 2008. Disponível em: http://www.unb.br/ppgec/dissertacoes/proposicoes/proposicao_jairocarlos.pdf

DANTAS, George Felipe de Lima Dantas; BAIR, Sean; MAGALHÃES, Luiz Carlos e FILIPE, Alécio. Introdução à Análise Criminal. 2007. Disnponível em: http://www.fenapef.org.br/htm/docs/070620_introducao-a-analise-criminal.doc

FEDERAL, Academia de Polícia Civil do Distrito. Especialização em Atividade Policial Judiciária - Curso Especial de Polícia . Disciplina de Inteligência Policial - EaD/APCDF. 2008.

SENASP/MJ, Secretaria Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça. Uso das Informações na Gestão de Ações da Segurança Pública. Programa Nacional de Segurança com Cidadania/Rede Nacional de Ensino à Distância - PRONASCI/EAD. 2008.

SENASP/MJ, Secretaria Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça. Curso de Investigação Criminal 1. Programa Nacional de Segurança com Cidadania/Rede Nacional de Ensino à Distância - PRONASCI/EAD. Brasília: 2008.

SPINDOLA, Marcos. Metodologia do Trabalho de Pesquisa e Docência do Ensino Superior. JustificarBrasília: Ed. Fortium: 2008.

Fonte: Fórum de Segurança

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Facebook: endereço de envio de intimações e/ou ordens judiciais

Achei interessante atualizar (fev/2018) esse post de outubro de 2011, visando deixar a informação mais correta e atualizada em relação aos procedimentos no Facebook: Várias pessoas me perguntam(vam) sobre o endereço do Facebook, que anunciou, em 2011, abrir um escritório no Brasil. Todo o procedimento de tratamento está explicado no nosso livro, escrito com o Dr. Higor Jorge: Crimes Cibernéticos - Ameaças e Procedimentos de Investigação. Veja como adquirir o livro: Como adquirir os livros? O resultado da pesquisa do registro do domínio nos remete a um escritório de registro de propriedade intelectual, porém, o escritório para envio de ordens judiciais e/ou intimações, além de requerimentos, é o seguinte: FACEBOOK SERVICOS ONLINE DO BRASIL LTDA Rua Leopoldo Couto de Magalhães Júnior, 700, 5º Andar, Bairro Itaim Bibi, São Paulo-SP, CEP 04542-000 - Fonte:  Jucesp Online Não sabíamos como seria o tratamento das informações e respostas às solicitações das chamadas

Estamos entre os melhores Delegados de Polícia, segundo Censos de 2017, 2018 e 2019

No ano de 2017 já havíamos sido agraciados com a distinção e citação dentre os melhores Delegados de Polícia na Categoria Jurídica.  Em 2018 e 2019, segundo o Portal Nacional dos Delegados , fomos novamente escolhidos, dentre os Melhores Delegados de Polícia do Brasil, na Categoria Gestão. Assim, ficamos muito lisonjeados pelo reconhecimento nacional em termos de gestão , especialmente pelo trabalho frente ao Conselho Nacional de Chefes de Polícia Civil, o CONCPC, e, também, da atividade de inteligência. Vejam a lista completa dos agraciados de 2019, clicando aqui . Seguimos em frente. Deixamos a Chefia da Polícia Civil do RS, deixamos a área de inteligência, porém na vamos continuar nos dedicando à atividade de Segurança Pública.

Tecnologia da Informação & Direito: um livro para o profissional de TIC

Após um longo período do projeto, iniciado lá em 2014 e interrompido em 2015, finalmente (não é em tom de reclamação, mas motivado pela falta de tempo!), lancamos em 2018 o livro: Tecnologia da Informação & Direito. O livro é fruto de uma parceria com a Profª Drª Ângela Kretschmann e visa a trazer aos neófitos nos estudos da interação entre as novas tecnologias e a percepção/recepção pelo Direito, especialmente no brasileiro. Um pouco sobre o livro: Existe um diálogo muito produtivo entre os profissionais da área jurídica e os da tecnológica, que promove contínuo aperfeiçoamento dos dois campos. Nesse sentido, o livro aborda uma noção geral que envolve o estudo do Direito e da Tecnologia, os principais pontos polêmicos que instigam a análise jurídica e o desenvolvimento do Direito para a solução de conflitos típicos da era digital. O enfoque é dado, em especial, após um apanhado geral do Direito, às áreas do direito do consumidor, direito à imagem, delitos cibernéti