Pular para o conteúdo principal

A interdisciplinaridade como uma das bases da inteligência policial

* Eduardo Pascoal de Souza

Em nosso momento global, surge a interdisciplinaridade como um dos conceitos que deve servir de base à doutrina de inteligência policial.

Mas o que é interdisciplinaridade? Qual a sua importância para a Segurança Pública, e mais especificamente, para a inteligência policial?

A interdisciplinaridade é um método de compreensão da realidade em que o objeto de estudo é submetido à análise de segmentos particulares, sendo que da conjugação destes saberes haverá um entendimento abrangente, porém, preciso, daquilo que se pretende conhecer e compreender.

A conseqüência de uma visão integradora do universo e do conhecimento humano, que tende a reunir em conjuntos cada vez mais abrangentes o que fica dissociado pela mente humana. A interdisciplinaridade trata da síntese ou correlação de duas ou várias disciplinas, instaurando um novo nível de discurso caracterizado por uma nova linguagem descritiva e novas relações estruturais. ” (Cordeiro e Silva, 2005 apud SENASP/MJ, 2008, p.31).

A interdisciplinaridade é o atual modelo adotado pela educação, razão pela qual foi deslocada para a moderna gestão de conhecimento da administração pública e privada, assim, surge como novo método para o entendimento global da realidade.

É levada a efeito quando se trata de resolver os grandes e complexos problemas colocados pela sociedade atual: guerra, fome, delinqüência, poluição dentre outros. Trata-se de reunir várias especialidades para encontrar soluções técnicas tendo em vista resolver determinados problemas, apesar das contingências históricas em constante mutação (Carlos, 2007, p.5).”

O fenômeno criminal em sua essência é pluridimensional e multidisciplinar, sendo que por conta da globalização, cresce em complexidade, assim, para ser abordado pelos ramos de atividades pertinentes, dentre eles o da inteligência policial, nada mais adequado que seja feito sob o conceito interdisciplinar.

Inclusive, nos meios em que se discute e pratica a Segurança Pública, é observada a tendência em interdisciplinar saberes, ou seja, estruturar, especializar e interagir conhecimentos, tudo a fim de que o Estado e a Sociedade Civil estejam aptos a lidar com a complexidade de situações que surgem nesta época.

Na polícia norte-americana, nota-se a preocupação de compor-se um quadro de servidores com perfil multidisciplinar, inclusive para a função de análise criminal, tipo de conhecimento que já é um pouco adiantado em relação ao Brasil, no que diz respeito à inteligência policial, senão vejamos:

"A situação da AC (lêia-se Análise Criminal) norte-americana e de alguns outros países é certamente distinta da que se pode determinar no Brasil, a começar pela própria formação básica do policial e do profissional de AC. O processo de treinamento policial nos EUA inclui, afora pré-requisitos específicos de nível de escolaridade (cada vez mais sendo exigido algum tipo de nível superior geral, ou específico em "justiça criminal")...(Dantas, Bair, Magalhães e Filipe, 2007, pag. 3).

Isto porque se verifica na Segurança Pública daquele país, o entendimento da necessidade de existir equipes adequadas para atuar, sob o enfoque interdisciplinar, em situações referentes ao fenômeno criminal.

"Tais processos de recrutamento, seleção, formação e especialização, fazem com que as instituições do setor possam estar também asseguradas de que seus policiais detenham os conhecimentos, técnicas, habilidades e atitudes necessárias para o exercício da atividade, em geral, bem como em áreas específicas como é o caso da AC."(Dantas, Bair, Magalhães e Filipe, 2007, pag. 3 e 4).

No Brasil se verificam algumas instituições em situações semelhantes, dentre elas a Polícia Federal e a Polícia Civil do Distrito Federal, instituições conhecidas por nortearem as suas atividades pela inteligência policial.

Ambas possuem um quadro de pessoal com formação superior e multidisciplinar, que compõem a variedade de cargos especializados das polícias judiciárias (Delegados, Escrivães, Peritos, Peritos-Papiloscopistas, Médicos-Legistas, Agentes de Polícia e Penitenciário).

Destaca-se a Agência Brasileira de Inteligência - ABIN, ante ao contexto apresentado, haja vista que pode se entender que a interdisciplinaridade é uma das razões pela qual esta organização, exige em seu concurso público a formação universitária geral, o que implica na construção de um quadro multidisciplinar de analistas.

Muitos irão se perguntar: qual a vantagem em termos agentes de segurança pública ou mais especificamente, analistas de inteligência policial, com distintas origens de conhecimento, como por exemplo, um proveniente na área de humanas e outro na de exatas?

Observa-se que a questão, dentro do conceito interdisciplinar, não diz respeito somente a conteúdos do conhecimento que os servidores multidisciplinares trazem à sua atividade, o que não deixa de ser relevante também, todavia, a situação vai além disso, uma vez que cada servidor traz consigo a experiência de um método científico próprio, uma maneira de orientar a sua visão para as coisas, pois sabemos que cada ciência pede abordagem particular para o seu exercício e desenvolvimento.

Convém esclarecer que interdisciplinaridade não está relacionada apenas à construção de quadro de servidores multidisciplinares, isto é apenas uma situação decorrente do conceito, que é muito amplo, a interdisciplinaridade ainda diz respeito à cultura organizacional e principalmente, a doutrina pertinente ao conhecimento de algo que é feito, na caso em discussão, a de inteligência policial.

REFERÊNCIAS

CARLOS, Jairo Gonçalves. Interdisciplinaridade: o que é isso?
Programas de Pós-Graduação da CAPES, Universidade de Brasília – UnB. Brasília: 2008. Disponível em: http://www.unb.br/ppgec/dissertacoes/proposicoes/proposicao_jairocarlos.pdf

DANTAS, George Felipe de Lima Dantas; BAIR, Sean; MAGALHÃES, Luiz Carlos e FILIPE, Alécio. Introdução à Análise Criminal. 2007. Disnponível em: http://www.fenapef.org.br/htm/docs/070620_introducao-a-analise-criminal.doc

FEDERAL, Academia de Polícia Civil do Distrito. Especialização em Atividade Policial Judiciária - Curso Especial de Polícia . Disciplina de Inteligência Policial - EaD/APCDF. 2008.

SENASP/MJ, Secretaria Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça. Uso das Informações na Gestão de Ações da Segurança Pública. Programa Nacional de Segurança com Cidadania/Rede Nacional de Ensino à Distância - PRONASCI/EAD. 2008.

SENASP/MJ, Secretaria Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça. Curso de Investigação Criminal 1. Programa Nacional de Segurança com Cidadania/Rede Nacional de Ensino à Distância - PRONASCI/EAD. Brasília: 2008.

SPINDOLA, Marcos. Metodologia do Trabalho de Pesquisa e Docência do Ensino Superior. JustificarBrasília: Ed. Fortium: 2008.

Fonte: Fórum de Segurança

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Facebook: endereço de envio de intimações e/ou ordens judiciais

Achei interessante atualizar (fev/2018) esse post de outubro de 2011, visando deixar a informação mais correta e atualizada em relação aos procedimentos no Facebook:
Várias pessoas me perguntam(vam) sobre o endereço do Facebook, que anunciou, em 2011, abrir um escritório no Brasil.
Todo o procedimento de tratamento está explicado no nosso livro, escrito com o Dr. Higor Jorge: Crimes Cibernéticos - Ameaças e Procedimentos de Investigação. Veja como adquirir o livro: Como adquirir os livros? O resultado da pesquisa do registro do domínio nos remete a um escritório de registro de propriedade intelectual, porém, o escritório para envio de ordens judiciais e/ou intimações, além de requerimentos, é o seguinte: FACEBOOK SERVICOS ONLINE DO BRASIL LTDARua Leopoldo Couto de Magalhães Júnior, 700, 5º Andar, Bairro Itaim Bibi, São Paulo-SP, CEP 04542-000
- Fonte: Jucesp Online Não sabíamos como seria o tratamento das informações e respostas às solicitações das chamadas forças da lei (law enforcemen…

Recomendações a pais, professores e escolas quanto às ameaças de atentado

Pós fato Suzano/SP, o alvoroço nas mídias sociais foi muito grande. Em alguns Estados mais do que outros. Muita trollagen para gerar pânico. Sendo assim, é importante algumas precauções por parte dos colégios/escolas:

Existência de meios físicos de contenção e controle:

- catraca/controle eletrônico de acesso
- controle de entrada e saída de visitantes, com registros de dados
- videomonitoramento, com gravação por pelo menos 10 dias. Ideal é 30 dias

Mecanismos preventivos:

- formatar equipe (interna ou mista interna/externa) de avaliação de ameaças;
- definir comportamentos por ordem de risco e necessidade de contingenciamento;
- definir condutas que demandam intervenção imediata (por exemplo, porte de arma, postagem em redes sociais);
- criar e gerir um sistema anônimo que permita reportar informações com condutas de risco (e-mail, telefone etc.);
- promover ambiente alicerçado em uma cultura de segurança, respeito, confiança e apoio emocional;
- incentivar alunos a compartilhar suas …

Estamos entre os melhores Delegados de Polícia, segundo Censos de 2017, 2018 e 2019

No ano de 2017 já havíamos sido agraciados com a distinção e citação dentre os melhores Delegados de Polícia na Categoria Jurídica. 


Em 2018 e 2019, segundo o Portal Nacional dos Delegados, fomos novamente escolhidos, dentre os Melhores Delegados de Polícia do Brasil, na Categoria Gestão.


Assim, ficamos muito lisonjeados pelo reconhecimento nacional em termos de gestão, especialmente pelo trabalho frente ao Conselho Nacional de Chefes de Polícia Civil, o CONCPC, e, também, da atividade de inteligência. Vejam a lista completa dos agraciados de 2019, clicando aqui.

Seguimos em frente. Deixamos a Chefia da Polícia Civil do RS, deixamos a área de inteligência, porém na vamos continuar nos dedicando à atividade de Segurança Pública.