Pular para o conteúdo principal

Atividade de Inteligência: constitucionalidade e direitos humanos

Por Suana Guarani de Melo*

Nos últimos anos foi tema de discussões a credibilidade do serviço prestado pelas gerências de Inteligência em todo o país. A proposta desse texto é apresentar algumas informações acerca da atividade de inteligência de Segurança Pública desempenhada pelas instituições policiais, ressaltando seus aspectos constitucionais e apresentando a sua estreita relação com a doutrina dos direitos humanos, outro tema também em alta frente às comemorações dos 60 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos e aos 20 anos da Constituição da República Federativa do Brasil.

O afastamento da cúpula da Agência Brasileira de Inteligência (ABIN), em 2007, pelo Presidente da República Luiz Inácio, em razão de uma escuta ilegal, o ‘grampo’, feita nos telefones do Supremo Tribunal Federal e de seu presidente, o ministro Gilmar Mendes, trouxe a atividade de inteligência para o foco de debate a respeito da legalidade dessa atividade e de seus limites.

A atividade de Inteligência de Segurança Pública consiste no exercício permanente e sistemático de ações especializadas para a produção e salvaguarda de conhecimentos necessários para prever, prevenir e reprimir quaisquer delitos ou aqueles relativos a temas de interesse da Segurança Pública, numa atitude proativa e não somente reativa. Ela é constituída como um serviço à causa pública, submetida aos princípios constitucionais da moralidade, da impessoalidade, da eficiência e da legalidade, em especial, tendo em vista a observância da ética, dos direitos e garantias individuais e sociais e do Estado Democrático.

A atividade de Inteligência tem como propósito atuar com cientificidade, com eficiência e de forma direcionada, a partir de informações cujo propósito é desarticular crimes que envolvam principalmente terrorismo, tráfico de entorpecentes, lavagem de dinheiro, crimes contra o sistema financeiro nacional, contra a ordem econômica e tributária, contra a administração pública (desde que punidos com reclusão), roubo, extorsão simples, extorsão mediante sequestro, sequestro e cárcere privado, homicídio doloso, ameaça quando cometida por telefone e crimes decorrente de organizações criminosas, entre outros. Tudo isso consoante o anteprojeto de Lei sobre Interceptação Telefônica.

Para que a execução de uma operação que trabalha com o serviço de Inteligência, obtenha êxito, é preciso que a Autoridade Policial, mediante investigação criminal, diante de fatos relevantes, represente perante a Autoridade Judiciária pela quebra do sigilo telefônico, objetivando realizar a interceptação telefônica. Vale salientar que o Ministério Público é igualmente legitimado para propor ação de interceptação telefônica na investigação criminal ou processual penal, conforme Lei 9.296/96. A Interceptação Telefônica consiste na monitoração de comunicações telefônicas, mediante autorização judicial, revestindo o ato de legalidade, para fins de investigação criminal ou instrução processual penal. Isso é completamente diferente do ‘grampo telefônico’, que é essa monitoração, sem a devida autorização judicial, portanto ilegal, e vem sendo realizado por alguns grupos que operam com espionagem. Se não há legalidade no ato, a finalidade passa, pois, pela bisbilhotice da vida de outrem, infringindo direitos e garantias fundamentais concernentes à inviolabilidade da intimidade, da vida privada das pessoas, e de suas comunicações telefônicas, devendo então, atuar a fiscalização.

Pela Lei 9.296/1996, não será admitida a interceptação se não houver indícios razoáveis de autoria ou participação em infração penal, assim como, quando a prova puder ser feita por outros meios disponíveis e se o fato investigado constituir infração penal punida, no máximo, com pena de detenção.

Toda a Atividade de Inteligência é desempenha com sigilo, e os procedimentos advindos dessa atividade correrão sob segredo de justiça, almejando que o assunto não se dissemine para pessoas interessadas, frustrando as pretensões da investigação. Inclusive, o Decreto Federal 4.553/2002, dispõe que todo aquele que tiver conhecimento de assuntos sigiloso ficará sujeito às sanções administrativas, civis e penais decorrentes de eventual divulgação, e que qualquer pessoa que tomar conhecimento de documento sigiloso, fica, automaticamente, responsável pela preservação de seu sigilo.

É cediço que houve uma retração nas autorizações pela quebra de sigilo telefônico, concedidas pelos juízes em todo o país a partir do escândalo envolvendo servidores da ABIN e o suposto ‘grampeamento’ no STF, servindo como um alerta para a falta de fiscalização dessa atividade. Tal ocorrência reforça que o serviço público, seja ele qual for, precisa estar sempre sujeito ao controle externo e interno de suas atividades, por parte do órgão ministerial e das ouvidorias, visando a assegurar transparência e impessoalidade dos atos, auferindo legalidade e credibilidade a esses setores e intimidando aqueles que querem fazer uso da atividade para fins ilícitos.

Mas, o que toda essa atividade tem a ver com os direitos humanos? A experiência obtida a partir do trabalho desenvolvido junto à Gerência de Inteligência da Polícia Civil do Estado da Paraíba possibilitou a reflexão a respeito do seguinte dado: de aproximadamente 122 operações desencadeadas durante os anos de 2007 e 2008, pela referida Gerência, constatamos que em 120 delas, cerca de mais de 99%, não houve sequer um disparado de arma de fogo, nem se precisou utilizar violência para a contenção das pessoas investigadas. Como já foi mencionado, é um serviço que atua de maneira direcionada, eliminando as chances de reação por parte dos alvos. A operação só é desencadeada quando conta com informes, com o equipamento adequado para a situação e com o pessoal necessário para o caso, razão pela qual as chances de erros são mínimas. Assim, dificilmente, não se logra êxito na prisão dos envolvidos, lembrando que os inexpressíveis insucessos, referentes à porcentagem acima, resultaram de falhas humanas dos próprios policiais, por desobediência de algum subordinado.

O mais importante e foco desse texto é trazer a informação de que o investigado, ao ser preso, não esboça qualquer reação porque se vê diante de uma situação completamente sob o controle da polícia. Com isso, as munições que seriam utilizadas, em caso de necessidade, convertem-se em economia para os cofres públicos ou em material para o treinamento e aperfeiçoamento dos próprios policiais. Ademais, a violência legítima e que poderia ser empregada pelos policiais contra os indivíduos, apresenta-se desnecessária, pois é fato que as pessoas presas nesses tipos de operações não se insurgem: “a casa caiu!”.

O desenvolvimento da Atividade de Inteligência de Segurança Pública representa, portanto, avanço em prol da diminuição da violência policial, do número de vítimas e de homicídios, decorrentes de operações mal sucedidas, situações que só geram gastos e que, na maioria, poderiam ser evitadas. A Segurança Pública, conforme a Constituição Federal de 1988 é dever do Estado e direito e responsabilidade de todos, devendo ser exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio, além disso, é fundamento do Estado Democrático de Direito a dignidade da pessoa humana, característica inerente aos humanos independente de sua origem, cor, raça, sexo, idade. Também de acordo com a Declaração Universal dos Direitos Humanos, todos/as tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoa. Por tudo isso, precisamos, por em prática esses fundamentos, utilizando a violência legítima de forma progressiva com vistas a combater o aumento da criminalidade e não vitimar inocentes.

Destarte, percebemos que há estreita relação entre a atuação eficiente e legal da atividade de Inteligência de Segurança Pública, com observância ao texto constitucional e, igualmente, aos direitos humanos, reforçando que, com investimentos nos setores de inteligência policial em todo o país poderemos multiplicar os sucessos dessas ações, assegurando os direitos de todos/as indistintamente, com o propósito de praticar a justiça com promoção de uma cultura de paz.

* A autora é Escrivã da Polícia Civil na Paraíba, graduada em Direito e especializanda em Segurança Pública e Direitos Humanos pela Universidade Federal da Paraíba-UFPB.

Fonte: Fórum de Segurança

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Facebook: endereço de envio de intimações e/ou ordens judiciais

Achei interessante atualizar (fev/2018) esse post de outubro de 2011, visando deixar a informação mais correta e atualizada em relação aos procedimentos no Facebook:
Várias pessoas me perguntam(vam) sobre o endereço do Facebook, que anunciou, em 2011, abrir um escritório no Brasil.
Todo o procedimento de tratamento está explicado no nosso livro, escrito com o Dr. Higor Jorge: Crimes Cibernéticos - Ameaças e Procedimentos de Investigação. Veja como adquirir o livro: Como adquirir os livros? O resultado da pesquisa do registro do domínio nos remete a um escritório de registro de propriedade intelectual, porém, o escritório para envio de ordens judiciais e/ou intimações, além de requerimentos, é o seguinte: FACEBOOK SERVICOS ONLINE DO BRASIL LTDARua Leopoldo Couto de Magalhães Júnior, 700, 5º Andar, Bairro Itaim Bibi, São Paulo-SP, CEP 04542-000
- Fonte: Jucesp Online Não sabíamos como seria o tratamento das informações e respostas às solicitações das chamadas forças da lei (law enforcemen…

Estamos entre os melhores Delegados de Polícia, segundo Censos de 2017, 2018 e 2019

No ano de 2017 já havíamos sido agraciados com a distinção e citação dentre os melhores Delegados de Polícia na Categoria Jurídica. 


Em 2018 e 2019, segundo o Portal Nacional dos Delegados, fomos novamente escolhidos, dentre os Melhores Delegados de Polícia do Brasil, na Categoria Gestão.


Assim, ficamos muito lisonjeados pelo reconhecimento nacional em termos de gestão, especialmente pelo trabalho frente ao Conselho Nacional de Chefes de Polícia Civil, o CONCPC, e, também, da atividade de inteligência. Vejam a lista completa dos agraciados de 2019, clicando aqui.

Seguimos em frente. Deixamos a Chefia da Polícia Civil do RS, deixamos a área de inteligência, porém na vamos continuar nos dedicando à atividade de Segurança Pública.

Recomendações a pais, professores e escolas quanto às ameaças de atentado

Pós fato Suzano/SP, o alvoroço nas mídias sociais foi muito grande. Em alguns Estados mais do que outros. Muita trollagen para gerar pânico. Sendo assim, é importante algumas precauções por parte dos colégios/escolas:

Existência de meios físicos de contenção e controle:

- catraca/controle eletrônico de acesso
- controle de entrada e saída de visitantes, com registros de dados
- videomonitoramento, com gravação por pelo menos 10 dias. Ideal é 30 dias

Mecanismos preventivos:

- formatar equipe (interna ou mista interna/externa) de avaliação de ameaças;
- definir comportamentos por ordem de risco e necessidade de contingenciamento;
- definir condutas que demandam intervenção imediata (por exemplo, porte de arma, postagem em redes sociais);
- criar e gerir um sistema anônimo que permita reportar informações com condutas de risco (e-mail, telefone etc.);
- promover ambiente alicerçado em uma cultura de segurança, respeito, confiança e apoio emocional;
- incentivar alunos a compartilhar suas …