Pular para o conteúdo principal

Esquema de Pedofilia Envolveu 40 Crianças, Diz Juíza de Catanduva (Sp)

A suspeita de que cerca de 40 crianças tenham sido vítimas de pedofilia em Catanduva (385 km de SP) levou uma juíza da cidade a instaurar procedimento para ouvir as famílias e chegar aos suspeitos. Inquérito concluído pela Polícia Civil na última semana resultou em ação penal na 1ª Vara Criminal de Catanduva. Um homem de 46 anos foi preso.

Entretanto, de acordo com a juíza da Infância e Juventude de Catanduva, Sueli Juarez Alonso, há suspeitas de que mais pessoas estejam envolvidas nos crimes, e que o número de vítimas, entre cinco e dez anos, seja bem superior ao que apurou a polícia. O inquérito apontou haver dez vítimas. Segundo ela, há ao menos 40.

Em 2004, a mesma juíza condenou, em primeira instância, vereadores, empresários e um servidor envolvidos com aliciamento e prostituição de adolescentes em Porto Ferreira (SP). Desde a última semana, Alonso começou a ouvir familiares das supostas vítimas. Os depoimentos estão sendo encaminhados à 1ª Vara Criminal, que já determinou a abertura de um novo inquérito.

De acordo com os relatos, as crianças eram aliciadas ou raptadas nos arredores de escolas em bairros pobres da cidade. Ela suspeita que até cinco pessoas, ligadas entre si mas que não necessariamente atuam ao mesmo tempo, estejam envolvidas nos crimes.

Os relatos, segundo Alonso, indicam que uma camionete S10, preta e de cabine dupla, era usada no esquema. Ao menos uma das crianças relatou ter sido levada pelo veículo para uma casa de classe média alta --o que, segundo a juíza da Infância, não consta do inquérito.

O caso passou a ser investigado após o diretor de uma escola estranhar o comportamento e rendimento apresentados por alguns alunos em sala de aula --um menino entrou em estado de choque na última semana. A Polícia Civil investiga o caso desde o ano passado.

"Recebi informações de várias mães que o inquérito não apurou o que estava acontecendo. As mães estavam ameaçadas, e não tiveram coragem de levar o caso à polícia. A situação é muito séria", disse a juíza, que designou uma equipe do fórum para acompanhar as crianças. Elas devem ser encaminhadas para tratamento psicológico.

Ainda de acordo com a juíza, fotos foram tiradas das crianças, mas ainda não é possível dizer se as imagens eram colocadas na internet.

Procurada, a Secretaria da Segurança Pública confirmou a abertura, nesta terça-feira, de um novo inquérito e afirmou que, se houve participação de outras pessoas, isso será investigado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Facebook: endereço de envio de intimações e/ou ordens judiciais

Achei interessante atualizar (fev/2018) esse post de outubro de 2011, visando deixar a informação mais correta e atualizada em relação aos procedimentos no Facebook: Várias pessoas me perguntam(vam) sobre o endereço do Facebook, que anunciou, em 2011, abrir um escritório no Brasil. Todo o procedimento de tratamento está explicado no nosso livro, escrito com o Dr. Higor Jorge: Crimes Cibernéticos - Ameaças e Procedimentos de Investigação. Veja como adquirir o livro: Como adquirir os livros? O resultado da pesquisa do registro do domínio nos remete a um escritório de registro de propriedade intelectual, porém, o escritório para envio de ordens judiciais e/ou intimações, além de requerimentos, é o seguinte: FACEBOOK SERVICOS ONLINE DO BRASIL LTDA Rua Leopoldo Couto de Magalhães Júnior, 700, 5º Andar, Bairro Itaim Bibi, São Paulo-SP, CEP 04542-000 - Fonte:  Jucesp Online Não sabíamos como seria o tratamento das informações e respostas às solicitações das chamadas

Estamos entre os melhores Delegados de Polícia, segundo Censos de 2017, 2018 e 2019

No ano de 2017 já havíamos sido agraciados com a distinção e citação dentre os melhores Delegados de Polícia na Categoria Jurídica.  Em 2018 e 2019, segundo o Portal Nacional dos Delegados , fomos novamente escolhidos, dentre os Melhores Delegados de Polícia do Brasil, na Categoria Gestão. Assim, ficamos muito lisonjeados pelo reconhecimento nacional em termos de gestão , especialmente pelo trabalho frente ao Conselho Nacional de Chefes de Polícia Civil, o CONCPC, e, também, da atividade de inteligência. Vejam a lista completa dos agraciados de 2019, clicando aqui . Seguimos em frente. Deixamos a Chefia da Polícia Civil do RS, deixamos a área de inteligência, porém na vamos continuar nos dedicando à atividade de Segurança Pública.

Tecnologia da Informação & Direito: um livro para o profissional de TIC

Após um longo período do projeto, iniciado lá em 2014 e interrompido em 2015, finalmente (não é em tom de reclamação, mas motivado pela falta de tempo!), lancamos em 2018 o livro: Tecnologia da Informação & Direito. O livro é fruto de uma parceria com a Profª Drª Ângela Kretschmann e visa a trazer aos neófitos nos estudos da interação entre as novas tecnologias e a percepção/recepção pelo Direito, especialmente no brasileiro. Um pouco sobre o livro: Existe um diálogo muito produtivo entre os profissionais da área jurídica e os da tecnológica, que promove contínuo aperfeiçoamento dos dois campos. Nesse sentido, o livro aborda uma noção geral que envolve o estudo do Direito e da Tecnologia, os principais pontos polêmicos que instigam a análise jurídica e o desenvolvimento do Direito para a solução de conflitos típicos da era digital. O enfoque é dado, em especial, após um apanhado geral do Direito, às áreas do direito do consumidor, direito à imagem, delitos cibernéti